Artigos Relacionados

R$ 1 bi é emitido em cotas de FIDC de financiamento de veículos

O mercado de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) conta agora com mais um FIDC estruturado para adquirir direitos creditórios originados pelo Banco Volkswagen. Após o término das operações de outros três fundos pensados nesse contexto, agora foi a vez do FIDC Driver Brasil Four Banco Volkswagen Financiamento de Veículos (FIDC Driver Brasil Four) emitir cotas.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

FIDC de cartão de crédito pode emitir mais R$ 100 mi

Tendo entrado em operação em março de 2018, o Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) Verdecard é um dos diversos FIDC estruturados para adquirir recebíveis originados em transações comerciais com uso de cartão de crédito como forma de pagamento. Em pouco mais de um ano de existência o FIDC Verdecard emitiu três séries de cotas sênior, além de cotas subordinadas júnior, e no último mês de maio alcançou um patrimônio líquido de R$ 366,3 milhões. Agora o fundo está prestes a realizar uma nova emissão de cotas, em montante esperado de R$ 100,0 milhões.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

FIDC de cartão de crédito vai captar mais de R$ 1 bi

Os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) estruturados para adquirirem recebíveis originados nos fluxos financeiros existentes em arranjos de pagamentos vêm galgando espaço no mercado de securitização e já não podem mais ser considerados apenas como uma novidade. É clara a escalada dimensional deste subsegmento da indústria de FIDC, com o patrimônio líquido (PL) total destes fundos saltando de R$ 2,00 bilhões em 2015 para R$ 19,00 bilhões ao fim do último mês de abril. O movimento ascendente deve continuar, já que um dos maiores FIDC de cartão de crédito está prestes a realizar uma emissão de grande monta.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Piora a qualidade da carteira de FIDC associado a fintech

As fintechs estão incrementando sua relevância no contexto do sistema financeiro nacional. A dinâmica desse fenômeno estrutural é bem-vinda, e mesmo necessária, tendendo a impactar a elevada concentração bancária que vigora no Brasil, que se configura um dos fatores que explicam as altas taxas de juros praticadas em algumas modalidades de financiamento no país. Além disso, através de um modelo de negócio com uso intensivo de tecnologia, essas empresas têm capacidade de desburocratizar o acesso ao crédito. Na esteira deste seu crescimento de participação na economia brasileira, as fintechs se aproximaram do mercado de capitais, e, mais especificamente, do mercado de securitização.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Nova emissão de FIDC de cartão de crédito no radar

Como já abordado em outras ocasiões no TLON, são diversas as possibilidades de estruturação de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) que utilizam como matéria-prima direitos creditórios advindos de operações de cartão de crédito. Pode-se citar, por exemplo, aqueles fundos que compram o fluxo de recebíveis originado da relação entre o portador do cartão, na figura do devedor, e o emissor do cartão, que atua como cedente. Pertencente a esta categoria de fundos de cartão, o FIDC Credz está prestes a realizar a emissão de mais duas séries de cotas, uma sênior e outra mezanino.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Oliveira Trust e Socopa lideram rankings de custodiante em 2018

Dando prosseguimento às recentes análises realizadas no TLON sobre prestadores de serviço de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC), já realizadas para as empresas administradoras e gestoras destes fundos, levando-se em consideração apenas os fundos que entraram em operação em 2018, é hora de atentar para o segmento de custódia. Assim como ocorreu com o mercado de gestores de FIDC, os Rankings Uqbar de custodiantes de novos FIDC apresentam em 2018, na comparação com os rankings de 2017, diversas trocas de posições entre os participantes.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

BRAM e Tercon destacam-se entre os gestores de FIDC

O mercado de gestores de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) caracteriza-se por ser aquele mais concorrido dentre os mercados de prestadores de serviço para este veículo do mercado de capitais. Para atestar tal fato basta observar os Rankings Uqbar de gestores de FIDC iniciados em 2018. A intensa mudança de posições dos participantes na comparação com o ranking de 2017 é evidente, tanto pelo critério do patrimônio líquido (PL) total dos fundos geridos quanto pelo número destes fundos.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Socopa dominou administração de novos FIDC em 2018

Em 2018, 152 Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) entraram em operação, perfazendo, no encerramento do ano, um patrimônio líquido (PL) de R$ 13,02 bilhões. Dentro deste universo, foi a Socopa a empresa que mais se destacou na administração destes novos FIDC, levando-se em conta a quantidade e o valor total de PL associado a estes. Assim, a empresa se consagrou líder dos Rankings Uqbar de administradores de FIDC iniciados em 2018, tanto pelo quesito do PL total administrado quanto pelo de número de operações.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

FIDC de cartão de crédito tem R$ 1 bi em cotas classificadas com ‘Aaa’

A classificação de risco ‘Aaa’ foi atribuída ontem, 14 de fevereiro de 2019, às cotas sênior do FIDC Fenix do Varejo II. A operação é lastreada por recebíveis comerciais cedidos pelas empresas Lojas Americanas (LASA) e B2W Companhia Digital (B2W), que atuam no setor varejista. Tais recebíveis comerciais são originados das vendas de produtos e serviços das cedentes para seus clientes e pagos por meio de cartões de crédito.  Essas transações, por sua vez, são processadas pela Cielo, que, na estrutura de uma transação via cartão de crédito, figura como a devedora dos recebíveis.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

FIDC com risco GM tem cotas classificadas pela Fitch

A agência Fitch divulgou hoje, dia 13 de dezembro de 2018, um comunicado informando a atribuição de classificação de risco preliminar ‘AAA’ às cotas do FIDC Automotivo, em montante de aproximadamente R$ 350,0 milhões. O FIDC Automotivo consiste em uma operação de securitização de 18 contratos de crédito fixo celebrados entre o Fundo de Fomento Automotivo do Estado do Rio Grande do Sul (Fomentar/RS) e a empresa General Motors do Brasil (GM). Segundo a agência, esses contratos foram cedidos ao Citibank, cedente da operação.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Mais Lidos