Artigos Relacionados

Pentágono e Oliveira Trust mantêm domínio entre agentes fiduciários

Mesmo com um aumento do número de agentes fiduciários participantes das operações de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) realizadas ao longo de 2014, os dois líderes deste segmento vêm mantendo forte preponderância em participação de mercado para as emissões do ano. Liderados pela Pentágono DTVM, que é secundada à distância pela Oliveira Trust DTVM, um conjunto de sete agentes fiduciários em 2014, dois a mais que no ano anterior, participou em um montante consolidado emitido no mercado primário de CRI nos primeiros nove meses do ano o que representa um recorde histórico para o período¹.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Já são dezenove securitizadoras disputando os rankings em setembro

Terminado o mês de setembro e o cômputo das operações de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) emitidas ao longo dos nove primeiros meses de 2014, os Rankings de Securitizadoras Imobiliárias passam a contar com dezenove companhias em seu rol. Este é o maior número de participantes já contemplados pelos rankings do acumulado de emissões entre janeiro e setembro de cada ano desde a criação do mercado de CRI. As três securitizadoras, a Cibrasec, a Barigui e a Ápice permanecem na frente em ambos os rankings, tanto pelo critério de montante emitido como em termos do número de operações realizadas.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Fitch permanece como líder em classificações de CRI

Decorridos oito meses de 2014, a Fitch, agência que tem sido a líder histórica em classificações de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), detém a mesma posição no ranking de atribuições deste título neste ano. Sua liderança se estende tanto para o ranking cujo critério é o montante quanto para aquele de número de títulos classificados. A agência atribuiu classificações, que perfizeram montante de R$ 365,8 milhões, para oito CRI. Com efeito, em relação ao total classificado, a Fitch auferiu participação de 45,3% e 38,1% nos respectivos rankings.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Altere passa a figurar no ranking 2014 de securitizadoras e outras três ganham posições

No mês de agosto sete operações de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) foram realizadas por cinco Securitizadoras Imobiliárias, totalizando R$ 675,9 milhões. Presente entre as securitizadoras que emitiram no último mês está a Altere, companhia que não realizava uma emissão de CRI desde 2009, quando havia realizado duas operações que somaram R$ 33,4 milhões. Agora, em agosto de 2014, esta securitizadora voltou a emitir R$ 15,5 milhões em CRI, na sua primeira operação do ano. Trata-se de uma operação lastreada em um empréstimo concedido pelo Banco Paulista à Porte Construtora. Nos rankings de securitizadoras imobiliárias de 2014, pelos critérios tanto de montante emitido como de número de operações, a Altere se encontra agora na décima oitava colocação.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Brazilian e SCCI galgam posições no ranking de securitizadoras

Ao fim de julho de 2014, no cômputo do Ranking de Securitizadora Imobiliárias pelo critério de montante emitido de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) no ano, apenas duas securitizadoras apresentaram mudanças significativas em suas respectivas colocações na comparação com a escala do mês anterior. A Brazilian Securities, com emissão de R$ 194,4 milhões em julho, e a SCCI, de R$ 309,2 milhões, galgaram da oitava e décima segunda posições no ranking até junho, para a sexta e sétima, respectivamente. Por outro lado, quando o critério é o número de operações realizadas no ano até julho, duas securitizadoras subiram de posição no ranking, além da própria SCCI. São elas: Gaia e Barigui.

Duas emissões em junho colocam Barigui em segundo lugar no ranking

Ao fim do primeiro semestre de 2014 o ranking no ano de Securitizadoras Imobiliárias passou a contar com três novas companhias, as quais emitiram Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) no mês de junho. Entre elas está a Barigui, securitizadora que realizou duas operações no mês de junho, que totalizaram R$ 1,27 bilhão. Dada a dimensão destas operações, esta securitizadora galgou para a segunda colocação no ranking no ano, com 16,5% do montante emitido até agora. Ainda assim, a Cibrasec permanece na liderança do ranking, com R$ 4,14 bilhões – referentes a sete operações -  emitidos na primeira metade do ano, representando 53,9% do montante consolidado emitido em 2014.


Cibrasec segue líder mesmo sem emitir CRI no último mês

Apesar de não ter realizado nenhuma emissão de Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) no mês passado, a Cibrasec se mantém na liderança do ranking de Securitizadoras Imobiliárias pelo critério de montante emitido com R$ 4,01 bilhões de CRI (quatro operações), o que representa 69,3% do total de emissões realizadas em 2014 até maio.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Com emissão em abril, REIT passa a figurar no ranking de securitizadoras


Em mês de fraco desempenho no mercado primário de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), a Brazilian Securities e a Polo Capital foram as duas únicas securitizadoras a incrementar sua participação no montante total de CRI emitidos até abril de 2014 em relação ao acumulado no primeiro trimestre. Além disso, o ranking de securitizadoras imobiliárias pelo critério de montante emitido passou a contar, no mês de abril, com mais um integrante: a REIT, que por sua vez realizou sua primeira emissão de CRI em 2014, entrando na oitava colocação no primeiro quadrimestre do ano.


Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Mercado de classificação de CRI permanece dominado pela Fitch

Em 2013 a agência de classificação de risco Fitch foi, mais uma vez, responsável pelo maior montante e pelo maior número de novos Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) classificados. A agência atribuiu classificações para 27 títulos (41,5% do total de títulos classificados), que perfizeram o montante total de R$ 3,49 bilhões (58,2% do montante total classificado). Em segundo lugar aparece a S&P, com R$ 1,43 bilhão (23,9 % do montante total classificado) distribuído em dezenove títulos classificados. Ambas agências classificaram os títulos sênior das duas maiores operações de CRI realizadas em 2013 que, juntas, somaram R$ 6,61 bilhões.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Grandes operações elevam Ápice e Cibrasec no ranking de CRI em 2013


No final do mês de outubro de 2013, a Ápice Securitizadora segue na liderança do Ranking anual de Securitizadoras por montante emitido em Ceritificados de Recebíveis Imobiliários (CRI). A entidade emissora supracitada superou o volume de emissões da Brazilian Securities (antigo líder) após ter visto concretizada, há pouco mais de um mês, a maior operação da história desse mercado, no valor de R$ 3,29 bilhões, tendo como cedente o Itaú Unibanco. Pouco depois, a Cibrasec alcançou o terceiro lugar no ranking anual por montante emitido após também ter operacionalizado uma emissão expressiva, de montante equivalente a R$ 811,8 milhões, lastreada em créditos imobiliários cedidos pelo Bradesco.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Mais Recentes