Artigos Relacionados

Socopa dominou administração de novos FIDC em 2018

Em 2018, 152 Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) entraram em operação, perfazendo, no encerramento do ano, um patrimônio líquido (PL) de R$ 13,02 bilhões. Dentro deste universo, foi a Socopa a empresa que mais se destacou na administração destes novos FIDC, levando-se em conta a quantidade e o valor total de PL associado a estes. Assim, a empresa se consagrou líder dos Rankings Uqbar de administradores de FIDC iniciados em 2018, tanto pelo quesito do PL total administrado quanto pelo de número de operações.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

FIDC de cartão de crédito tem R$ 1 bi em cotas classificadas com ‘Aaa’

A classificação de risco ‘Aaa’ foi atribuída ontem, 14 de fevereiro de 2019, às cotas sênior do FIDC Fenix do Varejo II. A operação é lastreada por recebíveis comerciais cedidos pelas empresas Lojas Americanas (LASA) e B2W Companhia Digital (B2W), que atuam no setor varejista. Tais recebíveis comerciais são originados das vendas de produtos e serviços das cedentes para seus clientes e pagos por meio de cartões de crédito.  Essas transações, por sua vez, são processadas pela Cielo, que, na estrutura de uma transação via cartão de crédito, figura como a devedora dos recebíveis.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

FIDC com risco GM tem cotas classificadas pela Fitch

A agência Fitch divulgou hoje, dia 13 de dezembro de 2018, um comunicado informando a atribuição de classificação de risco preliminar ‘AAA’ às cotas do FIDC Automotivo, em montante de aproximadamente R$ 350,0 milhões. O FIDC Automotivo consiste em uma operação de securitização de 18 contratos de crédito fixo celebrados entre o Fundo de Fomento Automotivo do Estado do Rio Grande do Sul (Fomentar/RS) e a empresa General Motors do Brasil (GM). Segundo a agência, esses contratos foram cedidos ao Citibank, cedente da operação.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Com garantia em euros, oferta de cotas de FIDC da Enel RIO deve mirar mercado internacional

A agência de classificação de risco Moody’s atribuiu na última quinta-feira, dia 29 de novembro de 2018, classificação de risco para a segunda emissão de cotas sênior do FIDC Global TR. A nota atribuída foi um ‘Aaa’ e a agência levou em consideração o montante máximo de emissão da ordem de R$ 400,0 milhões. Segundo a agência, os recursos captados pelo fundo nessa nova emissão serão destinados ao resgate da primeira emissão de cotas sênior.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Oliveira Trust lidera ranking de PL de FIDC lançados em 2018

Com perfis de atuação distintos, Oliveira Trust e Socopa assumem, cada uma, a liderança dos rankings Uqbar de administradores de FIDC para 2018, sob o critério de patrimônio líquido (PL) administrado e de número de novas operações, respectivamente. Enquanto a primeira instituição registra PL administrado de R$ 2,67 bilhões, distribuídos em sete fundos, a segunda inverte o placar, com 50 fundos perfazendo R$ 2,26 bilhões.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Afinal de contas, quanto rendem as cotas subordinadas dos FIDC?

Dentre os diversos indicadores que refletem a performance dos Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC), aquele que provavelmente melhor encapsula uma medida de desempenho corresponde à rentabilidade alcançada pelas cotas destes fundos ao longo do tempo. Apesar da rentabilidade aqui tratada se fundamentar em uma avaliação contábil das cotas dos fundos, dada a baixa liquidez do mercado secundário destes títulos, este indicador ainda é a melhor medida de desempenho, se uma análise depender de apenas um indicador. Ademais, alinhado com a ideia de um mercado de FIDC cuja prática de transparência e qualidade informacional se aprimorem com o tempo, o indicador de rentabilidade das cotas tende a se tornar uma medida cada vez mais eficaz de desempenho.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Tercon e Oliveira Trust assumem lideranças como gestores de FIDC

Historicamente a competição nos Rankings Uqbar entre gestores de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) é notória. Ao longo de 2016 a concorrência entre os participantes deste tipo se intensificou ainda mais. Houve aumento do número de participantes atuantes, os líderes de 2015 perderam seus postos e vários indicadores de concentração de mercado cederam.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Socopa e Oliveira Trust lideram rankings de administradores de FIDC

Ao se comparar o panorama do mercado de administração de novos Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC) em 2016 e em 2015, constata-se que um número maior de instituições teve êxito em emplacar mandatos para a administração de FIDC recém-operacionais no último ano. Quinze instituições repartiram entre si o mercado de 87 novos fundos estreantes em 2016. Em 2015 haviam sido apenas onze, em que pese o número ligeiramente superior de fundos que entraram em operação naquele ano, 90.  Por outro lado, o mercado de administradores de novos FIDC, quando medido em termos de Patrimônio Líquido (PL), se apresenta mais concentrado nos três maiores players em 2016 do que se verificou em 2015.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Em ano de menos atribuições, Fitch e Liberum lideram mercado de FIDC

Ao final de 2016, um montante de R$ 5,62 bilhões em cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) havia sido classificado por agências, levando-se em conta somente atribuições. Comparando-se com o volume classificado em 2015, de R$ 6,85 bilhões, observa-se uma redução de 18,0%. O número absoluto de cotas que receberam atribuições de notas por parte das agências em 2016 alcançou a marca de 135, o equivalente a uma queda de 16,7% em comparação com o ano retrasado, quando 162 cotas haviam sido classificadas.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Fitch e Liberum lideram atribuições de classificação de risco em 2016

O ano de 2016, até novembro, contou com atuação de um total de cinco agências de classificação de risco no que diz respeito às atribuições de notas para cotas de FIDC. Essas agências, que são Fitch, S&P, Moody’s, Liberum e Austin, foram responsáveis por um montante total classificado de aproximadamente R$ 4,25 bilhões, referentes a 98 títulos, levando em conta apenas atribuições. Fazendo uma comparação com os onze primeiros meses do ano de 2015, constata-se que ocorreram reduções de 34,4% e 33,8% no montante classificado e no número de cotas classificadas, respectivamente.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Mais Lidos