Não é de agora que o processo de recuperação judicial da PDG, iniciado em fevereiro de 2017, tem tornado dificultoso o cenário para os investidores das emissões de CRI da PDG Securitizadora. Pode-se recorrer aos exemplos das 2ª e 3ª séries da 2ª emissão e da 24ª série da 1ª emissão. Há meses os investidores destes títulos reúnem-se em assembleias com o objetivo de deliberar uma eventual liquidação do patrimônio separado, mas estas sempre acabam suspensas. Caso mais recente é o da 4ª série da 1ª emissão. Reaberta pela 15ª vez, assembleia de investidores deste título realizada no último dia 22 de março parece ter chegado a um termo.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Rankings
Mais Lidos