CRI indexados à TR minguam; indexação à inflação sobressai em 2017

A análise do desenvolvimento do mercado primário de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) desde 2015 detecta tendência de alteração da composição das emissões pelo critério do tipo de remuneração. Se anteriormente predominavam operações que não poderiam ser consideradas de mercado propriamente dito, em 2017 esse cenário sofreu considerável mudança. Houve uma conquista de espaço dos títulos remunerados de forma indexada à inflação (IPCA, IGP-M etc) ou atrelada à Taxa DI, em detrimento daquelas atreladas à Taxa Referencial (TR), que atingiram a nulidade no acumulado de emissões de CRI em 2017.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Aprovado o compartilhamento de garantias de CRI da Brazilian Securities

Veja abaixo o resumo de decisões tomadas no âmbito de assembleias de CRI divulgadas na CVM entre 12 e 16 de junho de 2017.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Aprovadas mudanças nos juros das 74ª e 114ª séries de CRI da RB Capital

Veja abaixo o resumo de decisões tomadas no âmbito de assembleias de CRI divulgadas na CVM entre 05 e 09 de junho de 2017.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Em ritmo lento, emissões de CRI em 2017 somam R$ 1,67 bi até maio

Entre janeiro e maio de 2017 as emissões de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) somaram R$ 1,67 bilhão. Na evolução cumulativa em base mensal durante o ano até agora, foi só durante o mês de abril que se ultrapassou a marca de R$ 1,00 bilhão. Para efeito comparativo, nos três anos anteriores, ao fim dos cinco primeiros meses do ano já se atingiam marcas superiores a R$ 5,50 bilhões em CRI emitidos. Porém, vale notar que em 2017 não há participação de operações com CRI remunerado de forma indexada à Taxa Referencial (TR), característica típica de operações de grande monta nos anos anteriores, as quais não envolviam investidores de mercado.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Habitasec, de forma inédita, lidera rankings de Securitizadoras no ano

Em 2017, até o final de maio, um total de 15 securitizadoras atuaram no mercado primário de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), através da emissão de 34 títulos que juntos somam o montante de R$ 1,67 bilhões. Com isso, pelo menos pelo critério de número de títulos emitidos, evidencia-se um crescimento de 21,4% em comparação com igual período de 2016, já que naquele ano haviam sido emitidos 28 títulos nos primeiros cinco meses. Mas, apesar do maior número de títulos em 2017, o montante total emitido no mercado se reduziu em 70,4% na comparação entre os dois anos, dado que até maio de 2016 a cifra deste indicador girava em torno de R$ 5,65 bilhões.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

CRI da RB Capital têm prazo para compartilhamento de garantias estendido

Veja abaixo o resumo de decisões tomadas no âmbito de assembleias de CRI divulgadas na CVM entre 29 de maio e 02 de junho de 2017.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Aprovado o não vencimento de CCB lastro de CRI que ultrapassa R$ 880,0 milhões

Veja abaixo o resumo de decisões tomadas no âmbito de assembleias de CRI divulgadas na CVM entre 22 e 26 de maio de 2017.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Investidor aprova liquidação antecipada da 205ª série da Brazilian Securities

Veja abaixo o resumo de decisões tomadas no âmbito de assembleias de CRI divulgadas na CVM entre 15 e 19 de maio de 2017.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Emissões de CRI colocam BRC e Ourinvest no ranking Uqbar

Em abril de 2017, a BRC e a Ourinvest Securitizadora realizaram suas primeiras emissões de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) do ano. Somadas, as emissões das duas securitizadoras representam quase 50,0% do montante total emitido no mês, de R$ 444,1 milhões. A Ápice, além da Polo Capital, que compõe o grupo das quatro securitizadoras que emitiram títulos em abril, foi aquela que mais emitiu: R$ 220,0 milhões. Apesar disso, a cifra não alterou o quadro de liderança do ranking Uqbar de securitizadoras imobiliárias para 2017, mantendo-se a RB Capital na posição mais alta do pódio sob o critério do montante emitido. Porém, em relação ao número de operações, o desempenho auferido em abril se mostrou decisivo para que a Ápice se tornasse a nova líder do ranking organizado sob esta ótica.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

CRI da Brazilian Securities tem remuneração alterada

Veja abaixo o resumo de decisões tomadas no âmbito de assembleias de CRI divulgadas na CVM entre 08 e 12 de maio de 2017.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Páginas de Participantes
Mais Lidos