Em junho de 2014 os Fundos de Investimento Imobiliário (FII) cujas cotas foram negociadas no mercado secundário na BM&FBovespa¹ somaram Capitalização de Mercado² (CM) consolidada de R$ 21,38 bilhões, 0,4% superior ao valor apresentado para a mesma base de fundos no mês de maio desse ano. Em movimento contrário, o valor consolidado de Patrimônio Líquido (PL) desses fundos diminuiu 0,8% no mesmo período, chegando a R$ 25,70 bilhões. Por conseguinte, as cotas desses fundos foram negociadas com um desconto médio de 16,8%. Em maio os mesmos títulos haviam sido negociados com um desconto médio maior, de 17,8%.

A CM consolidada do mercado de FII, mesmo na ausência de novas emissões nos últimos meses, vem se recuperando paulatinamente desde fevereiro deste ano, em sintonia com o movimento de redução na ponta longa da curva de juros na economia. Entre o meio de maio e o meio de junho, pontos médios dos dois meses considerados acima para o cálculo dos preços médios mensais de cada cota de FII, o índice setorial do mercado de Fundos Imobiliários, o IFIX, que reflete a rentabilidade total do setor (variação de preço e distribuição de rendimentos) subiu de 1.363 para 1.375, ou 0,89%.

Quanto à queda do valor consolidado de PL, o principal fator responsável por esse movimento foi a queda do PL do BB Progressivo II (BBPO11), um dos principais FII do mercado, com grande número de investidores e alta liquidez no secundário. Este fundo passou por sua última reavaliação de valores de imóveis, tendo estes sido reajustados para baixo e impactando o PL do fundo em 9,0% negativos. Vale destacar que, mesmo com este reajuste negativo substancial, o preço negociado da cota do fundo no mercado secundário subiu 0,9% em junho, e outros 2,7% agora em julho até o dia 30. Consequentemente, a cota do fundo, que negociava aproximadamente sem ágio em maio (0,5%), fechou junho sendo negociada com ágio de 11,4%.

A Tabela 1 abaixo apresenta os fundos imobiliários cujas cotas sofreram, entre maio e junho, os maiores aumentos relativos da razão entre os seus respectivos valores de mercado e valores patrimoniais (VM/VP).

Tabela 1

Na direção oposta, alguns fundos tiveram suas cotas negociadas com um valor crescente de desconto ou valor decrescente de ágio entre maio e junho últimos. As cotas do FII Castello Branco Office Park (CBOF11), fundo que recentemente estreou no âmbito da BM&FBovespa e que vinha apresentando baixo nível de liquidez, negociaram com desconto de 18,0% em junho ante um ágio de 2,0% em maio, caracterizando-se a maior queda individual relativa da razão VM/VP. Com PL constante entre estes dois meses, a CM deste fundo se reduziu em 19,2% no período, chegando a R$ 102,9 milhões, depois de uma queda no valor negociado de suas cotas de R$ 900,00 para R$ 727,43.

A Tabela 2 abaixo apresenta os fundos imobiliários cujas cotas sofreram, entre maio e junho, as maiores reduções relativas da razão entre os seus respectivos valores de mercado e valores patrimoniais (VM/VP).

Tabela 2

¹ A análise de números de Capitalização de Mercado neste artigo levam em consideração somente os FII que apresentaram um nível mínimo de liquidez no período em observação, ou seja, fundos imobiliários cujas cotas tiveram um mínimo de dez negócios e um mínimo de R$ 100.000,00 em montante negociado, nos respectivos meses analisados.

² A Capitalização de Mercado é calculada pela multiplicação do preço médio mensal das cotas de cada FII, ponderado pelo montante negociado, pelo respectivo número de cotas naquele mês.

 

Mais Lidos