De que forma uma empresa que apresenta, ano após ano, prejuízos da ordem de centenas de milhões de reais, consegue obter financiamento? Naturalmente, uma operação de crédito tradicional, se viabilizada, seria proibitivamente custosa e pouco eficiente economicamente. Eis que surge a securitização como opção mais apropriada, eliminando intermediários e possibilitando a separação entre o perfil creditício desta empresa e a qualidade de seus recebíveis. Assim, a escolha da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) foi pela estruturação de um Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC). Acompanhe neste artigo como um fundo peculiar se consolidou com um caso de sucesso da indústria de FIDC.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Mais Lidos