Liquidez de secundário de FII mantém patamar mais elevado em maio

O mercado secundário de cotas de Fundos de Investimento Imobiliário (FII) negociados na BM&FBOVESPA manteve um nível de liquidez historicamente alto em maio. Foram R$ 18,6 milhões em cotas de FII que trocaram de mãos de investidores, em cima de 1.545 negócios. Maio produziu o segundo melhor mês em montante consolidado negociado desde outubro de 2009.

Apesar da liquidez neste setor ainda ser proporcionalmente bem mais baixa que em outros mercados, como o de ações, o conjunto de FII negociados no secundário voltou a crescer a partir de março de 2010, depois de um hiato de quatro meses quando o volume mensal ficou abaixo de R$ 10,0 milhões.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Cotas de FII se valorizaram 14,2% nos últimos doze meses

O desempenho das cotas de Fundos de Investimento Imobiliário (FII) no mercado secundário da BM&FBOVESPA, medido em termos de variação de preço em períodos anuais, continuou em rota declinante no mês de maio. Este tipo de rentabilidade vem caindo nos primeiros meses de 2010, refletindo um começo de ano não tão rentável como os primeiros meses de 2009. Com a passagem de cada mês em 2010, o cálculo da variação de preço de cota nos doze meses anteriores passa a excluir o mesmo mês de 2009, refletindo assim o impacto da diferença de desempenho das cotas no mesmo mês de cada ano.

A valorização média linear de todas as cotas de FII negociadas no secundário, nos últimos doze meses até maio de 2010, ficou em 14,2%. Esta rentabilidade anual estava em 29,0% no final de dezembro de 2009, caindo para 22,6% no final de março e 17,1% no final de abril. Este fenômeno de taxas anuais de valorização declinantes ao longo do primeiro semestre de 2010 encontra forte similaridade com o movimento de preços no mercado de ações. O índice Bovespa caiu de uma taxa anual de valorização de 82,7% no final de dezembro de 2009 para 42,8% no final de maio de 2010.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Secundário de cotas de FII se mantém estável em maio

O mercado secundário de cotas de Fundos de Investimento Imobiliário (FII) operou sem direção no mês de maio. Em termos de liquidez, o mercado registrou um volume historicamente alto, confirmando tendência dos últimos três meses.

Novos FII que passaram a integrar recentemente o conjunto de fundos cujas cotas são negociadas no mercado secundário na BM&FBOVESPA, como o Caixa Cedae, o Anhanguera Educacional, e no mês passado, o Presidente Vargas, estão aumentando o montante e número de negócios consolidados do setor. Em maio, a cota do FII Presidente Vargas foi a segunda mais negociada no mercado, tanto em montante, de R$ 2,2 milhões, como em número de negócios, 215.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Retorno estimado dos rendimentos de FII sobe para 9,17% p.a.

O retorno estimado médio linear dos rendimentos dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII) negociados no mercado secundário da BM&FBOVESPA subiu para 9,17% p.a. no mês de abril de 2010, 0,10 pontos percentuais acima da taxa do mês anterior.

Como as cotas dos FII apresentaram uma queda média de preço de 0,82% no mesmo período (ver Curta de 12/05/10,Secundário de cotas de FII cede, mas liquidez continua crescente em abril), o aumento no retorno estimado se deve exclusivamente a este fator.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Rentabilidade efetiva do setor de FII fica em 29,3% nos últimos doze meses

O conjunto de dezoito Fundos de Investimento Imobiliário (FII) cujas cotas foram negociadas no mercado secundário da BM&FBOVESPA nos últimos doze meses, até abril de 2010, apresentou uma rentabilidade efetiva média de 29,3% no período. Esta rentabilidade anual, que tinha atingido 37,4% no final de fevereiro e 34,4% no fim de março, vem caindo nos últimos meses em função de um início de 2009 mais rentável que o início de 2010.

Abaixo apresentamos o ranking de rentabilidade efetiva nos últimos doze meses no setor de FII negociáveis no mercado secundário. O cálculo da rentabilidade efetiva das cotas destes fundos leva em conta tanto os rendimentos distribuídos como a variação de preço da cota. Assim, o ranking é um retrato completo e comparativo da rentabilidade dos FII.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Nossa Senhora de Lourdes é o FII mais rentável no ano até o fim de abril

Com uma rentabilidade efetiva acumulada nos primeiros quatro meses de 15,7%, o Fundo de Investimento Imobiliário (FII) Nossa Senhora de Lourdes (NSL) lidera o ranking de rentabilidade efetiva em 2010 até o momento. O NSL, o fundo mais líquido no último mês, estava em segundo lugar até o final de março, mas tomou a liderança do FII Continental Square Faria Lima (CSFL) depois de atingir uma rentabilidade efetiva mensal em abril de 0,3%, contra uma rentabilidade negativa equivalente a - 5,3% para o CSFL no mesmo mês. No final de abril, o FII CSFL tinha caído para a terceira posição em termos de rentabilidade efetiva acumulada no ano.

A Uqbar publica hoje o ranking de rentabilidade efetiva em 2010 dos FII negociados no mercado secundário na BM&FBOVESPA. A rentabilidade efetiva é equivalente à Taxa Interna de Retorno (TIR) do fluxo de caixa que considera os rendimentos distribuídos pelos fundos até agora durante o ano de 2010 e os preços médios, ponderados por montante negociado, das negociações das cotas nos meses de dezembro de 2009 e de abril deste ano.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Variação média anual de preço de cotas de FII continua bem superior ao CDI

O desempenho das cotas de Fundos de Investimento Imobiliário (FII) no mercado secundário da BM&FBOVESPA, em termos de variação de preço em períodos anuais, tem se mantido com boas doses de valorização. Entretanto, este tipo de rentabilidade vem caindo nos primeiros meses de 2010, refletindo um começo de ano não tão rentável como os primeiros meses de 2009.

A valorização média linear de todas as cotas de FII negociadas no secundário, nos últimos doze meses até abril de 2010, foi de 17,07%. Esta rentabilidade anual vem caindo desde dezembro de 2009, quando a mesma atingiu 29,0%. Em março ela estava em 22,6%.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Liquidez do mercado secundário de FIDC ensaia melhora em abril

O montante negociado e o número de negócios do mercado secundário de cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) ensaiaram uma recuperação no mês de abril frente a março e à média mensal do primeiro trimestre do ano. Por outro lado, os números acumulados até agora em 2010 estão aquém do ritmo registrado no mesmo período no ano passado, de tal forma que, salvo um crescimento acentuado no restante do ano, 2010 poderá fechar abaixo de 2009 em montante negociado acumulado no ano.

Em abril, o montante em negociações registradas na CETIP foi de R$ 75,7 milhões, enquanto a BM&FBOVESPA registrou apenas R$ 1,4 milhões. Em termos de número de negócios, foram 47 na CETIP, contra apenas 2 na BM&FBOVESPA.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Liquidez de secundário de FII retorna aos maiores níveis históricos

O mercado secundário de cotas de Fundos de Investimento Imobiliário (FII) negociados na BM&FBOVESPA voltou a apresentar um nível de liquidez à altura de seus melhores meses históricos. Em abril de 2010, R$ 20,7 milhões em cotas de FII trocaram de mãos de investidores em cima de 1.733 negócios. Foi o melhor mês em montante consolidado negociado desde outubro de 2009 e o segundo melhor mês da história do setor em termos de número de negócios, só ficando atrás da marca de 1.959 do mês passado.

O mercado secundário de cotas de FII havia se retraído em termos de liquidez a partir do último bimestre do ano passado e só sinalizou uma retomada de crescimento a partir de março último. Neste período de baixa, o volume mensal ficou abaixo de R$ 10,0 milhões, se recuperando para R$ 16,3 milhões no último mês do primeiro trimestre. Um dos fatores que certamente contribuiu para este hiato menos líquido na bolsa foi o volume de ofertas primárias no mesmo período. A demanda do investidor pessoa física, protagonista do mercado secundário de FII, tende a priorizar as ofertas primárias, em detrimento do mercado secundário, devido ao desconto relativo que os fundos costumam embutir na precificação de suas cotas na oferta primária.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Secundário de cotas de FII cede, mas liquidez continua crescente em abril

O mercado secundário de cotas de Fundos de Investimento Imobiliário (FII) operou com tendência de queda no mês de abril. Por outro lado, o montante consolidado negociado cresceu marcadamente, registrando o maior volume desde outubro do ano passado, e o número de negócios realizados foi o segundo maior da história do setor.

Um novo fundo, o FII Caixa Cedae, passou a integrar o conjunto de fundos cujas cotas estão sendo negociadas no mercado secundário na BM&FBOVESPA. De um total agora de 25 FII que foram negociados em março e abril,15 sofreram valorização negativa de preço de cota entre um mês e o outro. A média linear de variação mensal de preço de cotas, para todos os fundos, sem considerar ponderações por valor de mercado, foi de -0,82% neste último período, contra 0,73% registrados no período mensal anterior.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Páginas de Participantes

Mais Lidos