Proposta para locação faz CEOC11B subir 20% em junho

A cota do Fundo de Investimento Imobiliário (FII) CEO Cyrela Commercial Properties (CEOC11B) foi aquela que, em junho, apresentou a maior variação¹ positiva ante o mês anterior, dentre aquelas negociadas no mercado secundário na BM&FBOVESPA. Com o um investimento imobiliário vago desde o término da construção do imóvel e com a Renda Mínima Garantida (RMG) se aproximando do fim, o fundo informou ter recebido durante o mês, proposta para locação da integralidade de seu investimento, sete andares corporativos e parte de outro andar da Torre South Corporate do Edifício Corporate Executive Offices, localizado na cidade do Rio de Janeiro (RJ). Entre maio e junho as cotas deste fundo se valorizaram em 20,1%, bem distante do segundo colocado, o FII Square Faria Lima (FLMA11), cujas cotas subiram 9,9% no mesmo período.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Pregão BM&FBOVESPA (FII) - 8/Jul/15 - Rentabilidade

No pregão de 8 de julho 78 diferentes cotas de Fundos de Investimento Imobiliário foram negociadas na BM&FBOVESPA, das quais 33 apresentaram valorização de preço, 33 apresentaram desvalorização, 8 não tiveram alteração e 4 não haviam sido negociadas no pregão anterior. Segue as três melhores e as três piores variações de preço no dia, acompanhadas dos respectivos preços médios, volumes negociados e números de negócios.

Melhores Variações

FII Ticker Variação (%) Preço (R$) Montante (R$) Nº Negócios
Grand Plaza Shopping ABCP11 8,94 11,45 229 2
Banrisul Novas Fronteiras BNFS11 6,15 91,27 3.103 7
TB Office TBOF11 5,89 57,54 453.498 61

Piores Variações

FII Ticker Variação (%) Preço (R$) Montante (R$) Nº Negócios
BM Brascan Lajes Corporativas BMLC11B -3,64 88,64 378.658 55
Gávea GVFF11 -3,73 770,19 249.540 7
RB Capital Prime Realty II Sênior RBPD11 -8,70 0,63 2.780 14

Pregão BM&FBOVESPA (FII) - 8/Jul/15 - Liquidez

No pregão de 8 de julho 78 diferentes cotas de Fundos de Investimento Imobiliário foram negociadas na BM&FBOVESPA. Foram 6.055 negócios que totalizaram R$ 19,3 milhões. A cota com maior montante negociado foi a do FII BB Progressivo II (BBPO11), com R$ 2,0 milhões. Já a cota com maior número de negócios foi a do FII Maxi Renda (MXRF11), com 1.218 negócios.

Cyrela não garante pagamento de imposto e FII não distribuirá RMG prevista

O BTG Pactual Serviços Financeiros DTVM, administrador do FII Cyrela Thera Corporate (THRA11B), publicou Fato Relevante para informar que o fundo deverá realizar o pagamento de suas despesas ordinárias, incluindo‐se, mas não se limitando a, o Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) relativo ao imóvel do fundo - cinco de 15 andares do Edifício Thera Corporate, localizado em São Paulo. Segundo o documento, o ITBI, em valores atuais, excede aproximadamente em R$ 1,46 milhão a disponibilidade atual de caixa. O administrador informa que a Cyrela Roraima Empreendimentos Imobiliários Ltda.– a responsável pelo pagamento da Renda Mínima Garantida (RMG) (renda mensal locatícia garantida, líquida de despesas ordinárias do fundo, correspondente a 0,75% das cotas integralizadas) – entende que o ITBI não deve ser considerado como despesa ordinária do fundo, não estando, em razão disso, abarcado pela garantia mínima de rentabilidade contratualmente convencionada, e recusa‐se a suportá‐lo. Assim sendo, os valores por ela repassados não serão suficientes para que seja feita a distribuição da RMG pró‐rata anteriormente prevista para 15 de julho de 2015. O entendimento da garantidora vai de encontro, portanto, ao do administrador, que pontifica que o fundo, oportunamente e de acordo com a disponibilidade de caixa, realizará o pagamento do ITBI. O documento acrescenta que o fundo diligenciará em boa fé junto à garantidora para dirimir as atuais divergências a respeito da natureza da despesa relativa ao ITBI e oportunamente informará os cotistas sobre o tema. É ressalvado que as cotas do fundo não serão admitidas à negociação “ex” valores atrelados à distribuição da RMG. 

Pregão BM&FBOVESPA (FII) - 7/Jul/15 - Rentabilidade

No pregão de 7 de julho 83 diferentes cotas de Fundos de Investimento Imobiliário foram negociadas na BM&FBOVESPA, das quais 39 apresentaram valorização de preço, 30 apresentaram desvalorização, 4 não tiveram alteração e 10 não haviam sido negociadas no pregão anterior. Segue as três melhores e as três piores variações de preço no dia, acompanhadas dos respectivos preços médios, volumes negociados e números de negócios.

Melhores Variações

FII Ticker Variação (%) Preço (R$) Montante (R$) Nº Negócios
Cyrela Thera Corporate THRA11B 2,43 53,93 185.958 40
CSHG Recebíveis Imobiliários HGCR11 2,23 1.043,32 9.390 7
Max Retail MAXR11B 2,18 1.210,04 81.073 6

Piores Variações

FII Ticker Variação (%) Preço (R$) Montante (R$) Nº Negócios
Vila Olímpia Corporate VLOL11 -2,40 61,31 15.021 5
Grand Plaza Shopping ABCP11 -8,29 10,51 53 2
RB Capital Prime Realty II Sênior RBPD11 -48,12 0,69 5.227 28

Pregão BM&FBOVESPA (FII) - 7/Jul/15 - Liquidez

No pregão de 7 de julho 83 diferentes cotas de Fundos de Investimento Imobiliário foram negociadas na BM&FBOVESPA. Foram 5.240 negócios que totalizaram R$ 18,9 milhões. A cota com maior montante negociado foi a do FII BB Progressivo II (BBPO11), com R$ 3,4 milhões. Já a cota com maior número de negócios foi a do FII Rio Negro (RNGO11), com 1.220 negócios.

Parte dos cotistas do FII Torre Almirante indica desconforto com governança

Veja abaixo esta e outras decisões tomadas no âmbito de assembleias de FII divulgadas entre 29 de junho e 03 de julho de 2015. 

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Pregão BM&FBOVESPA (FII) - 6/Jul/15 - Rentabilidade

No pregão de 6 de julho 78 diferentes cotas de Fundos de Investimento Imobiliário foram negociadas na BM&FBOVESPA, das quais 38 apresentaram valorização de preço, 29 apresentaram desvalorização, 4 não tiveram alteração e 7 não haviam sido negociadas no pregão anterior. Segue as três melhores e as três piores variações de preço no dia, acompanhadas dos respectivos preços médios, volumes negociados e números de negócios.

Melhores Variações

FII Ticker Variação (%) Preço (R$) Montante (R$) Nº Negócios
Grand Plaza Shopping ABCP11 5,14 11,46 80 2
Europar EURO11 3,22 180,66 3.252 2
Projeto Água Branca FPAB11 2,31 334,39 13.710 4

Piores Variações

FII Ticker Variação (%) Preço (R$) Montante (R$) Nº Negócios
CSHG JHSF Prime Offices HGJH11 -2,97 1.028,53 160.451 14
BM Brascan Lajes Corporativas BMLC11B -4,26 90,91 510.752 76
Gávea GVFF11 -4,76 800,00 8.000 1

Pregão BM&FBOVESPA (FII) - 6/Jul/15 - Liquidez

No pregão de 6 de julho 78 diferentes cotas de Fundos de Investimento Imobiliário foram negociadas na BM&FBOVESPA. Foram 6.671 negócios que totalizaram R$ 18,5 milhões. A cota com maior montante negociado e maior número de negócios foi a do FII BTG Pactual Corporate Office Fund (BRCR11), com R$ 2,8 milhões em 2.066 negócios.

Cade autoriza BRMalls a vender shoppings para FII

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) aprovou, sem restrições, a venda de fração ideal de shopping centers de propriedade da BRMalls Participações para dois FII distintos. Os FII, Vinci Renda Imobiliária e BRL II, são administrados pela BRL Trust e geridos pela Vinci Real Estate Gestora de Recursos. O primeiro possuía, em maio, 36 cotistas, e o segundo, de acordo com o CADE, terá suas cotas adquiridas pelo Public Sector Pension Investment Board (PSP), fundo de pensão canadense. A operação consiste na aquisição, por ambos os fundos, de 70% de participação no Shopping Crystal Plaza (Curitiba-PR), 30% no Center Shopping Rio e no West Shopping (Rio de Janeiro-RJ) e 44% no Shopping Paralela (Salvador-BA). As participações serão divididas na proporção de 25% para o Vinci Renda Imobiliária e 75% para o BRL II. Segundo o CADE, operações envolvendo shopping centers podem afetar dois diferentes mercados: administração de shopping centers e aluguel de espaço comercial em shopping centers. O órgão considera que as empresas do Grupo Vinci FII e do Grupo PSP (tais quais foram denominados na decisão da autarquia) são aquelas que efetivamente concentram poder de mercado com a presente operação, mas só no que se refere ao mercado de aluguel de espaço comercial em shopping centers. O CADE avaliou que, sendo o município o espaço concorrencial dos shopping centers, um dos shopping centers que o Grupo Vinci FII já tem participação e dois shopping centers nos quais o Grupo PSP tem participação estão localizados no município do Rio de Janeiro, assim como dois dos quatro shopping centers que são alvos da presente operação. O conselho, no entanto, considerou que, dada a participação de mercado local reduzida dos shoppings a serem adquiridos, a presente operação é incapaz de causar danos aos mercados analisados.  

Rankings

Mais Lidos