Jornal

Capitalização de mercado de setor de FII cresce R$ 670 milhões em dois meses

O valor consolidado de capitalização de mercado do setor de Fundos de Investimento Imobiliário (FII) atingiu R$ 5,94 bilhões no final de novembro de 2010. Isto representa um acréscimo de R$ 670,0 milhões em relação ao valor consolidado do setor no final de setembro de 2010, última vez que publicamos este tipo de análise. Em relação ao final de novembro de 2009, quando a capitalização de mercado consolidada era de R$ 3,82 bilhões, o crescimento foi de 55,4%.

O aumento no valor da capitalização de mercado se deve, em primeira ordem, às emissões de novos fundos e de novas cotas e, de forma complementar, à valorização de preço das cotas. O total de R$ 5,94 bilhões em novembro é composto pela capitalização de mercado de 37 FII, três a mais que em setembro de 2010 e doze a mais que em novembro de 2009. O cálculo considera todos os FII com cotas negociáveis na BM&FBOVESPA e aqueles cujas negociações são registradas na Cetip. Os FII cujas cotas não foram negociadas nos últimos seis meses foram excluídos do cálculo.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Índices de PDD das classes de FIDC de pior desempenho têm boa melhora em novembro

As categorias de ativo-lastro de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) com maior nível relativo de Provisão para Devedores Duvidosos (PDD) vêm apresentando melhora gradual de desempenho ao longo de 2010. Uma comparação entre o nível associado a este indicador no final de novembro e nos meses anteriores, para as três classes de FIDC de pior desempenho, indicam um progresso consistente, especialmente para a classe de Títulos Mobiliários.

A Uqbar dá continuidade hoje à sua publicação mensal da classificação dos grupos consolidados de FIDC por ativo-lastro, usando como critério os mesmos índices construídos para classificar os FIDC individualmente, quais sejam, o PDDn, e a Variação de PDD Normalizada, ou ?PDDn (ver definição dos índices no artigo de 20/08/09 Classificação de Carteiras de FIDC por Índices de Desempenho).

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Valorização média de preço de cota do setor de FII em 2010 fecha ano em 13,2%

No final de dezembro de 2010, depois de mais um mês positivo no mercado secundário de cotas de Fundos de Investimento Imobiliário (FII) na BM&FBOVESPA, o nível médio de preços deste mercado terminou o ano com uma elevação anual de 13,2%. No último mês do ano a variação média de preços de cotas do setor foi de 2,3%.

A cota do FII Square Faria Lima, depois de um forte rally nos últimos dois meses do ano, alcançou a primeira posição do setor em variação acumulada de preço ao longo de todo 2010. A cota do fundo já tinha subido 8,4% em novembro, trazendo o fundo para a terceira posição no acumulado do ano até o final daquele mês. Agora, no último mês, a cota subiu mais 12,4%, resultando em uma variação acumulada em 2010 de 33,9%.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Forte aumento de liquidez no secundário de FII estabelece novos recordes

O nível de liquidez no mercado secundário de cotas de Fundos de Investimento Imobiliário (FII) negociados na BM&FBOVESPA disparou para cima em dezembro de 2010. Em termos de montante e número de negócios os valores do mês são novos recordes históricos, com uma larga margem comparativamente aos anteriores.

R$ 155,2 milhões em cotas de FII trocaram de mãos entre investidores, montante este resultante de 3.302 negócios. Estas cifras se comparam com R$ 6,7 milhões e 792 negócios referentes ao mês de dezembro de 2009. Por outro lado, em novembro de 2010, mês considerado forte no registro histórico, foram R$ 27,1 milhões em montante negociado e 2.552 negócios.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Rentabilidade média de FII no secundário atingiu 18,9% até novembro

Liderado pelo Fundo de Investimento Imobiliário (FII) Shopping Pátio Higienópolis, o setor de FII negociados no mercado secundário alcançou nos primeiros onze meses de 2010 uma rentabilidade efetiva média acumulada de 18,9%. Novembro tendo sido um mês forte para o setor fez com que a rentabilidade acumulada no ano saltasse dos 15,6% que tinham sido registrados até o final de outubro.

O FII Shopping Pátio Higienópolis, que vem mantendo a liderança há vários meses, acumula uma rentabilidade efetiva no ano até novembro de nada menos que 40,8%. No último mês houve um acréscimo substancial, mensurável ao se comparar com a rentabilidade acumulada até o final de outubro, que era de 32,8%. Em 2009, o FII Pátio Higienópolis ficou em sétimo lugar, entre todos os FII negociados no mercado secundário na BM&FBOVESPA, com uma rentabilidade efetiva acumulada naquele ano de 47,7%.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Primeiros negócios de cotas sênior de FII registrados na BM&FBovespa

A Instrução nº 472 da Comissão de Valores Mobiliários, de 31 de outubro de 2008, redefiniu o mercado de fundos de investimento imobiliários (FII). Dentre as inovações trazidas pela norma está a possibilidade destes fundos emitirem, como os fundos de investimento em direitos creditórios (FIDC), cotas de classes distintas.

O primeiro fundo a usufruir deste benefício foi o Fundo de Investimento Imobiliário RB Capital Agre (RB Agre). O fundo lançado em junho deste ano, emitiu cotas sênior e subordinadas.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Novo FIDC comprará ativos do Banco Panamericano

No começo deste mês, um novo fundo de investimento em direitos creditórios (FIDC) que tem como cedente o Banco Panamericano, foi registrado na Comissão de Valores Mobiliários. O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios FBP - Financeiro (FBP) adquirirá ativos originados pelo Banco Panamericano em suas operações de empréstimos a pessoas físicas nas modalidades de crédito consignado, crédito pessoal e financiamento de veículos.

O FBP foi constituído no último dia 30 de novembro sob a forma de condomínio aberto e contará com duas classes de cotas: (i) as sênior que serão subscritas e integralizadas exclusivamente pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC) ou por um fundo de investimento destinado exclusivamente ao FGC; e (ii) as subordinadas que serão subscritas e integralizadas exclusivamente pelo Banco Panamericano e empresas do Grupo Sílvio Santos, seus sócios ou controladores. As cotas não terão classificações de risco realizadas por terceiros, nem serão registradas para negociação no mercado secundário.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

FII de Renda Fixa lidera retorno estimado dos rendimentos em novembro

O ranking de retorno estimado dos rendimentos dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII) sofreu interessantes mudanças em novembro. O FII Excellence, fundo dedicado a investimentos em Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) e outros títulos de renda fixa, pulou da terceira colocação no ranking de outubro para a liderança em novembro, com um retorno estimado de 11,6% a.a.. Este crescimento deve-se à forte distribuição de rendimentos ocorrida em novembro de 2010, de R$ 1,90/cota. Nos últimos seis meses, a média mensal de distribuição por cota era de R$ 0,71/cota.

O cálculo do retorno estimado dos rendimentos de um fundo leva em conta as distribuições mensais dos últimos doze meses e o preço médio da cota do fundo no mês presente, sendo que este último é calculado de forma ponderada por volume negociado. Para um valor constante de rendimentos, o retorno estimado varia de forma inversa ao preço da cota.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Classificação - FIDC por Índices de Desempenho

Dando prosseguimento à série mensal que analisa o setor de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC), a Uqbar publica a classificação dos FIDC de maior PDD Normalizado (PDDn) e de maior e menor Variação de PDD Normalizada (?PDDn) no mês de novembro de 2010.

As classificações excluem fundos com nível de Patrimônio Líquido ou de Direitos Creditórios inferior a R$ 10,0 milhões, evitando-se assim efeitos distorcidos que podem ocorrer no período final de amortização de alguns fundos e comparações com fundos já em fase final de liquidação.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

FIDCs do Panamericano sofrem resgates acima de meio bilhão de reais em novembro

O mês de novembro provou ser, conforme esperado, um grande teste de liquidez para os administradores e gestores de dois fundos de investimento em direitos creditórios (FIDC), que têm como cedentes o Banco Panamericano e que são fundos abertos. No mês passado, a Uqbar publicou um artigo analisando os riscos de crédito e de liquidez do maior FIDC ligado ao Banco Panamericano Os riscos de crédito e de liquidez do maior FIDC do Panamericano (17/11/10). De acordo com o artigo, os eventos financeiros que assolaram o Banco Panamericano há pouco mais de um mês se traduziriam, no âmbito do FIDC Master Panamericano CDC Veículos (MasterPan), primeiramente em um grande desafio de liquidez.

O MasterPan, juntamente com o outro FIDC que também tem o Banco Panamericano como cedente, o AutoPan FIDC CDC Veículos (Autopan), sofreu resgates pesados no mês de novembro. Entre os dois fundos foram R$ 552,7 milhões de cotas sênior resgatadas. Somente no FIDC MasterPan os resgates somaram R$ 450,03 milhões, ou seja, 20,7% do seu patrimônio liquido (PL) no mês anterior.O PL do fundo no final de novembro era de R$ 1,95 bilhão.

Rankings
fii
fidc
cri
cra
Mais Lidos