Negócios Cetip (FIDC) – 6 a 10/out/14

Na semana passada foram registrados 107 negócios com cotas de FIDC na Cetip que totalizaram R$ 40,89 milhões. A cota que apresentou o maior montante negociado (R$ 7,76 milhões) foi a cota de classe única do FIDC Brasil Óleo e Gás Exclusive. Administrado pela Oliveira Trust DTVM, este fundo tem seu lastro exclusivamente em debêntures da 4ª emissão da Petrobras. A cota mezanino 1 do FIDC Driver Brasil Two Volkswagen registrou o maior número de negócios (42). O fundo é administrado pela BEM DTVM e tem como objetivo adquirir recebíveis oriundos de operações de financiamento de veículos cedidas pelo Banco Volkswagen. Além das cotas dos fundos acima, negócios com cotas de outros 16 FIDC foram registrados na Cetip.

FIDC Lecca altera rentabilidade-alvo das cotas subordinadas preferenciais

Veja abaixo esta e outras decisões tomadas no âmbito de assembleias de FIDC divulgadas entre 06 e 10 de outubro de 2014

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Uma jabuticaba no caminho da evolução do mercado de FIDC

A constituição brasileira, como muitos sabem, tentou resolver no papel muito do que se mostraria inviável na prática. De perfil distante do anglo-saxão, a lei fundamental da nação, um tanto intervencionista e protecionista em sua versão de 1988, saiu gorda de boas intenções. Muitas destas, no entanto, acabaram se tornando parte do famoso custo Brasil ou se esvaindo por conta da eterna postergação da criação da tal lei complementar, frequentemente necessária para terminar de fato o trabalho dos constituintes.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Cotistas do FIDC RED Performance aprovam mudança de custodiante

Veja abaixo esta e outras decisões tomadas no âmbito de assembleias de FIDC divulgadas entre 29 de setembro e 03 de outubro de 2014

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Negócios Cetip (FIDC) – 29/set a 03/out/14

Na semana passada foram registrados 166 negócios com cotas de FIDC na Cetip que totalizaram R$ 55,2 milhões. A cota com maior montante negociado foi a cota subordinada do FIDC Rio Forte NP com R$ 24,0 milhões. Administrado pela Estratégia Investimentos CVC, o fundo possui carteira composta por direitos de crédito contra a União - precatórios decorrentes de ações judiciais já transitadas em julgado -, cujo pagamento poderá ou não ser realizado ao amparo do art. 78 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. A cota com maior número de negócios foi a cota sênior 1 do FIDC Lecca com um total de 58 negócios. Administrado pela SOCOPA, este fundo investe em recebíveis oriundos de operações comerciais, de financiamento de veículos e de operações de crédito tanto para pessoa física quanto para pessoa jurídica, todos eles previamente analisados e selecionados pela consultora Epanor Lecca. Além das cotas dos fundos acima, negócios com cotas de outros 15 FIDC foram registrados na Cetip. Não houve registro de qualquer negócio na BM&FBOVESPA.

Austin classifica cotas do FIDC Infinity Sul Multissetorial LP

A Austin atribuiu as classificações de risco ‘brAA-(sf)(p)’ e ‘brB(sf)(p)’ às cotas sênior e subordinada, respectivamente, do FIDC Infinity Sul Multissetorial LP. Este fundo visa investir em recebíveis comerciais originados de operações realizadas em diversos segmentos da economia, previamente analisados e selecionados pela Cafeerol Cobrança Extrajudicial EIRELI (consultor do fundo). Constituído sob o formato de condomínio fechado, com prazo de duração indeterminado, este fundo tem sua administração realizada pela SOCOPA e a gestão de seus ativos pela Ouro Preto Gestão de Recursos. O FIDC obteve registro na CVM em 26 de março último e ao final de agosto apresentava um PL de R$ 200,0 mil, representado unicamente pela classe de cotas subordinadas, única emitida até o momento. As cotas sênior pagarão aos cotistas uma remuneração alvo equivalente a 110% da taxa DI.

Cotas subordinadas do FIDC Sette recebem classificação

A Austin atribuiu a classificação de risco preliminar ‘brCC(sf)(p)’ para as cotas subordinadas júnior a serem emitidas pelo FIDC Sette. Este fundo terá por objeto o investimento em recebíveis comerciais originados de operações realizadas em diversos segmentos da economia, previamente analisados e selecionados pela Senic Tecnologia de Ativos e Fomento Mercantil (consultor do fundo). O FIDC obteve registro na CVM no dia 15 de agosto desse ano e operará sob a forma de condomínio fechado, sem uma data de término pré-estabelecida. A SOCOPA e a J&M Investimentos exercerão funções de administração do fundo e de gestão de seus ativos, respectivamente. Vale lembrar que as cotas subordinadas júnior, acima mencionadas, não apresentam rentabilidade alvo definida.

 

Classificação de risco das cotas do FIDC Telecom são retiradas

A S&P retirou as classificações de risco ‘brAA+ (sf)’ atribuídas às seis séries de cotas sênior do FIDC Telecom. A retirada segue-se ao cancelamento da oferta e a não colocação das séries. Os direitos creditórios do fundo consistiriam em recebíveis comerciais representados por faturas decorrentes dos serviços de gestão de contact center prestados pela Contax à Telemar Norte Leste, à Oi Móvel e à Oi. As séries supracitadas tinham vencimento previsto para 36 meses após sua emissão e rentabilidade alvo equivalente à taxa DI acrescida de um spread de 0,8% ao ano. As ofertas públicas das seis séries de cotas sênior do FIDC Telecom, cujo montante total equivalia à R$ 600,0 milhões, haviam sido registradas no fim de junho na CVM. Em 18 de julho deste ano a agência já havia rebaixado as classificações de ‘brAAA (sf)’ para ‘brAA+ (sf)’. À época a agência fundamentou a ação no rebaixamento da classificação de risco corporativo da Oi. Segundo a agência, o rebaixamento da Oi havia refletido as métricas de crédito da empresa um tanto fracas, após o default dos commercial papers da Rio Forte Investments detidos pela Portugal Telecom, subsidiária da Oi.

Número de FIDC registrados não se reflete em novas emissões

No período compreendido entre janeiro e agosto de 2014, cerca de 63 novos Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) obtiveram seu registro de funcionamento na Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Embora seja cinco unidades inferior (-7,4%) à cifra registrada no mesmo período de 2013 (68), quando se considera os últimos dez anos o patamar registrado no presente ano é o terceiro mais elevado. Contudo, este bom desempenho nos últimos anos em termos de número de registros de FIDC não tem se traduzido em comportamento proporcional em termos de montante de emissões dos fundos, se restringindo assim apenas à ampliação do potencial deste mercado.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Negócios Cetip (FIDC) – setembro/14

No último mês foram registrados 308 negócios com cotas de FIDC na Cetip que totalizaram R$ 238,7 milhões. A cota que apresentou o maior montante negociado (R$ 50,7 milhões) foi a cota de classe única do FIDC Brasil Óleo e Gás Exclusive. Administrado pela Oliveira Trust DTVM, o fundo tem seu lastro exclusivamente em debêntures da 4ª emissão da Petrobras. A cota sênior 1 do FIDC Lecca registrou, novamente, o maior número de negócios (96). Administrado pela SOCOPA, este fundo investe em recebíveis oriundos de operações comerciais, de financiamento de veículos e de operações de crédito tanto para pessoa física quanto para pessoa jurídica, todos eles previamente analisados e selecionados pela consultora Epanor Lecca. Além das cotas dos fundos acima, negócios com cotas de outros 35 FIDC foram registrados na Cetip. Não houve registro de qualquer negócio na BM&FBOVESPA.

Rankings

Mais Recentes