Oferta de mega FIDC termina com R$ 1,41 bi captados

Foi encerrada ontem a distribuição pública das cotas da primeira emissão do Crédito Corporativo Brasil - Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC). Foram R$ 1.409.700.000,00 divididos entre 11.748 cotas sênior e 2.349 cotas subordinadas, a R$ 100.000,00 cada.

Esta operação foi detalhada na Curta de 17/09/09, Credit Suisse, Santander e Caixa preparam mega FIDC. Se equivale a um CDO, sigla em inglês para Collateralized Debt Obligation, por conta do lastro ser formado por empréstimos a grandes corporações na forma de debêntures, notas promissórias, cédulas de crédito bancário e outros instrumentos de dívida, e é a maior deste gênero já estruturada no histórico de FIDC.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

O suporte invisível dos cedentes de FIDC

Decifrar a dinâmica da relação entre um Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) e seu cedente é uma tarefa crucial na avaliação de risco da operação. Muitas vezes o aparente bom desempenho de uma carteira de direitos creditórios (DC) de um FIDC está associado a uma atuação de suporte um tanto “invisível” por parte de seu cedente. Como nada garante a eternidade de tal suporte, cabe aos investidores e analistas fazer uma leitura mais cuidadosa do comportamento ao longo do tempo de alguns índices do fundo, os quais podem indicar algumas pistas sobre o que está efetivamente acontecendo.

No âmago da questão estão as atividades de recompra de DC, com parcelas em atraso ou inadimplidos, por parte dos cedentes. Tal atuação permite que se dê baixa contábil nos níveis de Atrasos e de Provisões para Devedores Duvidosos (PDD) dos fundos, mantendo os níveis destes índices sob controle durante a vida do fundo. Existem, claro, outras formas de se atingir uma melhora no desempenho de Atrasos ou de PDD de um FIDC, a saber: recuperação de créditos inadimplidos, elevação de crédito, ou venda de DC para um terceiro. O diagnóstico com total precisão, sem o subsídio das informações referentes ao fluxo dos DC, é uma impossibilidade. Restam então as deduções no âmbito das possibilidades.

Processo na CVM gera expectativas no mercado

Corre na CVM um processo administrativo que vem sendo acompanhado com interesse pelos participantes do mercado de finanças estruturadas. Trata-se do Processo Administrativo Sancionador CVM Nº 06/2007 e, mais especificamente, do Processo de Termo de Compromisso CVM Nº RJ 2009/6226.

Nos meses de dezembro de 2004 e janeiro de 2005, e depois estendendo-se até maio daquele ano, sucederam-se várias operações envolvendo constituição e registro de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC), cessão de crédito, distribuição e colocação de cotas, e integralização e resgate de cotas com direitos creditórios, todas elas vinculadas a dois FIDC, o ASM FIDC - Carteira Imobiliária (CI) e o ASM FIDC FCVS, que vieram a disparar o alarme da CVM. A autarquia questionou valores e processos, e instaurou inquérito.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Negócios com cotas de FIDC aumentam significativamente em fevereiro

Apesar de fevereiro ser o mês mais curto do ano, o número e o montante consolidado de negócios no mercado secundário de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) subiu bastante em relação a janeiro passado.

O montante em negociações registradas na CETIP foi de R$ 98,0 milhões, enquanto a BM&FBOVESPA registrou apenas R$ 1,5 milhão. Em termos de número de negócios, foram 49 na CETIP, contra apenas 3 na BM&FBOVESPA.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Classificação/Janeiro - FIDC por Índices de Desempenho

Dando prosseguimento à série mensal que analisa o setor de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC), a Uqbar publica a classificação dos FIDC de maior PDD Normalizado (PDDn) e de maior e menor Variação de PDD Normalizada (?PDDn) no mês de janeiro de 2010.

As classificações não consideram fundos não padronizados e também excluem fundos com nível de Patrimônio Líquido ou de Direitos Creditórios inferior a R$ 10,0 milhões, evitando-se assim efeitos distorcidos que podem ocorrer no período final de amortização de alguns fundos e comparações com fundos já em fase final de liquidação.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

PDD continua ascendente em relação a Atrasos e PL

O montante consolidado de Provisão para Devedores Duvidosos (PDD) do setor de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) continua a crescer, não só em termos absolutos, mas também em termos relativos frente aos números consolidados de créditos vencidos e não pagos (Atrasos) e Patrimônio Líquido (PL).

No final de janeiro de 2010 o montante consolidado de PDD atingiu R$ 1,77 bilhão, contra R$ 2,25 bilhões de Atrasos e R$ 34,07 bilhões de PL, excluindo o FIDC NP Sistema Petrobras. Estes mesmos indicadores estavam em R$ 1,65 bilhão, R$ 2,18 bilhões e R$ 33,78 bilhões no final de dezembro de 2009, subentendendo-se taxas mensais de crescimento de 7,27%, 3,21% e 0,86% respectivamente.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Recebíveis do Agronegócio melhoram desempenho com novos fundos

A classe de Recebíveis do Agronegócio melhorou sua posição relativa na classificação de janeiro de desempenho dos grupos consolidados de FIDC por ativo-lastro, tendo agora duas outras classes com PDD Normalizado (PDDn)mais alto, Titulos Mobiliários e Crédito Pessoa Jurídica. Tal melhora se explica pela adição de um novo fundo nesta classe, o FIDC Mercantis Monsanto, que contabiliza um patrimônio líquido de quase R$ 58,0 milhões e nenhuma provisão alocada para devedores duvidosos. O FIDC Mercantis Monsanto teve sua oferta de cotas registrada na CVM em janeiro.

A classe de Recebíveis do Agronegócio, com um nível de PDDn de 46,39 no final de janeiro, contra 51,67 no final de dezembro de 2009, já havia passado por uma outra melhora por conta da inclusão nesta classe do Minerva FIDC Crédito Mercantil, cuja primeira emissão de cotas aconteceu em novembro passado. O nível negligente de provisões destes dois fundos contribui para diluir o efeito do alto nível de PDD associado ao Union Agro+ FIDC, um dos dois outros fundos restantes pertencentes a esta classe.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Novo FII dedicado à renda fixa aproxima-se do FIDC

Um Fundo de Investimento Imobiliário (FII) com características diferenciadas teve sua primeira oferta primária finalizada no mês passado e, desde então, tem apresentado um volume forte de negociações de suas cotas no mercado secundário registrado na CETIP.

Trata-se do FII Votorantim Securities, fundo registrado no final de 2009 e que obteve registro junto a CVM para uma oferta de até R$ 1,30 bilhão em dezembro último. O período de oferta foi terminado em janeiro com a colocação de cotas, no valor total de R$ 100,0 milhões, adquiridas por um único investidor, um fundo de investimento.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Petra assume controladoria de onze FIDC

A PETRA - Personal Trader CTVM (Petra) assumiu a responsabilidade pela controladoria de onze Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) que antes era realizada pelo Banco Santander. A corretora, que já era responsável pela administração e gestão destes fundos, passa, a partir de janeiro, a responder também pela controladoria destes.

A corretora entrou no mercado de FIDC em 2005 com atuação em estruturação, gestão e administração de fundos originados junto a empresas de fomento mercantil. No final de 2006, a Petra contava com a administração de cinco FIDC, que somavam um patrimônio líquido de R$ 49,7 milhões. Em dezembro de 2009, a corretora administrava dezenove fundos, totalizando um patrimônio líquido de R$ 442,5 milhões, e ocupava a 15° posição no ranking de administradores de FIDC por montante de patrimônio liquido.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Montante de secundário de FIDC encolhe em janeiro

O montante consolidado de negócios no mercado secundário de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) caiu drasticamente no mês de janeiro de 2010, apesar do número de negócios ter aumentado em relação aos últimos dois meses de 2009.

Foram R$ 8,5 milhões de montante em negociações registradas na Cetip e R$ 9,8 milhões na BM&FBOVESPA, fazendo que o valor total negociado na bolsa paulista superasse o valor total registrado na Cetip, feito incomum neste mercado. Em termos de número de negócios, foram 16 na BM&FBOVESPA e 18 na Cetip.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Páginas de Participantes

Mais Lidos