No acumulado dos oito primeiros meses do ano, a rentabilidade efetiva¹ média entre os 77 Fundos de Investimento Imobiliário (FII) que compõem o ranking deste indicador para este período atingiu 4,3%, apenas 0,6 ponto percentual acima do nível referente ao fim de julho, de 3,7%. Mas a rentabilidade efetiva média entre apenas os dez FII mais líquidos no período, aqueles de maior montante negociado no mercado secundário entre janeiro e agosto deste ano, ficou ainda mais baixa, apenas 3,3%. E se se retirasse deste grupo o FII CSHG Logística (HGLG11), fundo cuja rentabilidade no período atingiu 14,8%, muito acima de qualquer outra no grupo, a média da rentabilidade efetiva no ano entre os nove fundos restantes cai para 2,0%.

Em relação aos três FII mais líquidos no mercado nos primeiros oito meses do ano, o FII BTG Pactual Corporate Office Fund (BRCR11), que teve R$ 563,0 milhões em cotas negociados, atingiu a mais baixa rentabilidade efetiva no período entre os dez FII mais líquidos, o equivalente a 5,5% negativos. A variação de preço da cota deste fundo, fator que predominou na sua rentabilidade efetiva, se equivaleu a 11,4% negativos. Já o FII BB Progressivo II (BBPO11), que teve R$ 396,1 milhões em cotas negociados, atingiu a segunda maior rentabilidade efetiva no período entre os dez FII mais líquidos, o equivalente a 8,4%, ajudada por uma concomitante variação de preço de cota de 2,5%. Por fim, o FII Kinea Renda Imobiliária (KNRI11), que teve R$ 322,6 milhões em cotas negociados, ficou com a terceira mais baixa rentabilidade efetiva no período entre os dez FII mais líquidos, o equivalente a 1,8% negativo, puxada para baixo em função de uma variação de preço de cota de 7,5% negativos.A Tabela 1 apresenta a rentabilidade efetiva dos dez FII cujas cotas apresentaram os maiores montantes negociados em 2014 até agosto, bem como os respectivos números de variação de preço de cota e montante negociado desses fundos no período, ordenados do maior para o menor montante negociado.

Tabela 1

Com sua rentabilidade se destacando entre os dez FII mais líquidos nos primeiros oito meses do ano, o CSHG Logística (HGLG11), cujos títulos somaram um montante negociado de R$ 100,0 milhões, consideravelmente menor que o volume referente aos três FII mais líquidos supracitados, apresentou rentabilidade efetiva positiva de 14,8%, tendo sua cota se elevado em preço em 5,8% em 2014 até agosto. Entre os meses de março e julho de 2014, os valores dos rendimentos distribuídos por cota do HGLG11 superou os valores históricos distribuídos, conforme ilustrado na Tabela 2. Este aumento de natureza mais pontual se explica pelas alienações de imóveis realizadas pelo fundo no início do ano, que geraram lucro em regime de caixa.  

Tabela 2

¹ A rentabilidade efetiva, ou rentabilidade total, resulta dos componentes de rentabilidade oriundos na distribuição de rendimentos, na amortização, e na variação de preço das cotas ocorridos no período. Do ranking são excluídos os fundos cujas cotas registraram na BM&FBOVESPA um montante negociado menor que R$ 100.000,00 ou número de negócios menos que dez, nos primeiro e último meses do período comtemplado.

Mais Lidos