BTG e GTIS terão mais tempo para analisar compra de parte dos ativos do BRCR11

O BTG Pactual Serviços Financeiros e o BTG Pactual Gestora de Recursos, administrador e gestor, respectivamente, do FII BTG Pactual Corporate Office Fund (BRCR11) e do FII Prime Portfolio, publicaram Fato Relevante para informar sobre a prorrogação do prazo para análise da proposta para aquisição de ativos detidos pelos fundos encaminhada em 04 de dezembro de 2017 pela UBS Brasil Serviços de Assessoria Financeira e a REC Gestão de Recursos tendo como proponente a GTIS Partners Brasil Aquisições e Participações. De acordo com o documento, o gestor afirma estar em tratativas com a proponente para realizar a venda de um ou mais ativos do portfólio, e tendo em vista que a proponente necessita de mais prazo para, em conjunto com o administrador e o gestor, definir escopo, termos e condições comerciais, as partes acordaram pela extensão de prazo em 60 dias a contar de 2 de fevereiro, prorrogáveis por mais 30 dias. O gestor informa que se pronunciará sobre a proposta oportunamente, uma vez que tenha elementos suficientemente detalhados e analisados que assim o permita. Adicionalmente, o gestor comunica que está trabalhando na aquisição de novos ativos visando a reciclagem do portfólio e a maximização do retorno aos cotistas.

Administrador e consultor do GRLV11 decidem reduzir remunerações

A Credit Suisse Hedging-Griffo CV, administrador do FII CSHG GR Louveira (GRLV11), publicou Fato Relevante para informar que decidiu, em conjunto com o consultor imobiliário do fundo, GRE Realty Gestão Imobiliária, reduzir a taxa de administração e a remuneração do consultor imobiliário do fundo, de 1,00% para 0,60% ao ano sobre o valor de mercado das cotas do fundo e de 0,30% para 0,15% ao ano sobre o mesmo indicador, respectivamente, com a consequente alteração do regulamento. Segundo o documento, com esta decisão o GRLV11 terá uma redução combinada de 42% nas referidas taxas a partir de 1º de fevereiro de 2018, de 1,30% para 0,75% ao ano sobre o valor de mercado das cotas do FII.

CSHG deixará de administrar FII geridos pela Hedge

A Credit Suisse Hedging-Griffo CV, administrador dos FII CSHG Atrium Shopping Santo André (ATSA11B), CSHG Top FOFII (TFOF11) e CSHG Top FOFII 2 (FOFT11), todos geridos pela Hedge Investments Real Estate Gestão de Recursos, publicou Fato Relevante para informar que, exclusivamente por razões de seu interesse e conveniência, deseja encerrar a prestação de serviços de administração para os referidos fundos. Em razão disso, transcorrido o prazo contratual de 90 dias de aviso prévio contados a partir de 31 de janeiro, a CSHG renunciará à administração dos fundos e convocará assembleias gerais de cotistas, nos termos da regulamentação em vigor, para deliberar sobre sua substituição e demais hipóteses aplicáveis em caso de renúncia à administração. Caso o administrador e o gestor, em comum acordo, decidam pela transferência da administração dos fundos, poderão ser convocadas assembleias em prazo inferior ao exposto acima. Segundo a CSHG, a intenção de encerramento das atividades de administração fiduciária ora comunicada decorre exclusivamente de decisões estratégicas por parte da CSHG de não prestar, neste momento, serviços de administração fiduciária de FII geridos por outras instituições que não a própria CSHG.

Edifício Galeria celebra nova locação, mas vacância ainda supera 20%

O BTG Pactual Serviços Financeiros DTVM, administrador do FII Edifício Galeria (EDGA11), publicou Fato Relevante para informar a celebração de novo contrato de locação referente ao imóvel Edifício Galeria, localizado no Rio de Janeiro-RJ, do qual o fundo é proprietário de 100%. A locação foi celebrada com a Everis Brasil Consultoria de Negócios e Tecnologia da Informação Ltda., referente a parte da sala 701, localizada no 7º andar do imóvel, com área locável de 1.800,00 m², prazo de dez anos contados a partir de 01 de janeiro de 2018 e carência ‘em linha com o praticado na região’. A nova locação representa 7,24% da área locável total do imóvel e reduzirá a vacância para 25,80%. Ademais, segundo o administrador, a receita de aluguel do fundo será impactada positivamente em 5,96%, na comparação com as receitas do mês de novembro de 2017, e a distribuição de rendimentos aumentará em aproximadamente 17,75%, em relação à última distribuição realizada, a despeito do fato do BTG não informar a partir de qual mês isso irá ocorrer. 

FII Renda de Escritórios divulga reavaliação de ativos

O BB Gestão de Recursos DTVM, administrador do FII Renda de Escritórios (RDES11), publicou Fato Relevante para informar sobre a reavaliação anual dos ativos do fundo, realizada pela Consult Soluções Patrimoniais. Segundo o documento, em dezembro de 2017 a empresa avaliadora apresentou laudos de visando a determinação de valores de mercado. Em 29 de dezembro de 2017, todos os quatro imóveis investidos pelo fundo apresentaram valor superior ao anteriormente avaliado, resultando em aumento total de patrimônio de 4,17%.

Fundos da Rio Bravo divulgam reavaliação de ativos

A Rio Bravo Investimentos DTVM, administrador do FII Eldorado (ELDO11B) e do FII Shopping Pátio Higienópolis (SHPH11), divulgou Fatos Relevantes para informar sobre a reavaliação anual dos ativos dos fundos, ambas realizadas pela Cushman & Wakefield. Segundo o documento, a reavaliação dos ativos do ELDO11B resultou em um aumento do seu patrimônio líquido em 9,4%, de modo que o valor passou para R$ 799,1 milhões em 31 de dezembro de 2017. No caso do SHPH11, a avaliação resultou em aumento de 14,11% do patrimônio líquido do fundo, para R$ 403,0 milhões no último dia de 2017.

Renegociação de aluguel impactará distribuição do CTXT11 em 19%

A Rio Bravo Investimentos DTVM, administrador do FII Centro Têxtil Internacional (CTXT11), publicou Fato Relevante para informar que celebrou, junto ao Itaú Unibanco S.A., locatário de unidades do imóvel Condomínio Centro Têxtil Internacional localizado em São Paulo–SP, termo aditivo aos cinco contratos de locação de unidades do imóvel, para: (a) unificar todos os cinco contratos vigentes em apenas um contrato de locação, com vigência a partir de 1º de setembro de 2017, passando esta data a ser a nova data-base do contrato de locação; (b) renegociar o valor do aluguel mensal do contrato de locação, encerrando o subsídio da taxa condominial existente até então, de modo que o aluguel seja efetivamente reduzido em 19%– sendo que o primeiro pagamento do aluguel mensal reajustado será feito em janeiro de 2018, com desconto retroativo dos alugueis de setembro de 2017 até dezembro de 2017; e (c) em contrapartida à redução supramencionada, renovar o prazo de vigência do contrato de locação por cinco anos contados a partir da data-base do contrato de locação. O evento mencionado acima reduzirá a distribuição de rendimentos do CTXT11 em aproximadamente 55% em janeiro e fevereiro de 2018, em função do desconto retroativo dos alugueis de setembro de 2017 até dezembro de 2017. Para os meses subsequentes a distribuição deverá acompanhar a redução do valor do aluguel, em aproximadamente 19%.

FII Mérito compra terreno para desenvolver habitação popular

A Planner CV, administrador do FII Mérito Desenvolvimento Imobiliário I (MFII11), publicou Fato Relevante para informar que o fundo adquiriu uma gleba de 177.056 m², localizada em perímetro urbano da cidade de Campinas-SP, com objetivo de promover a aprovação e a implantação de loteamento e desenvolvimento de empreendimentos imobiliários, com ênfase no mercado de habitação popular, pelo valor total de R$ 7,1 milhões, com pagamento realizado em oito de janeiro. Segundo o administrador, o investimento é condizente com o estudo de viabilidade apresentado no anexo VI do prospecto definitivo da 4ª emissão de cotas do fundo. Dessa forma, acrescenta o Fato Relevante, não são esperados impactos relevantes que alterem a futura receita/distribuição de rendimentos do fundo aos cotistas estimados no referido estudo de viabilidade.

FFCI11 comunica renovação e rescisão de contratos de locação

A Rio Bravo Investimentos DTVM, administrador do FII Rio Bravo Renda Corporativa (FFCI11), publicou Fato Relevante para comunicar que renovou o contrato de locação com o Banco BNP Paribas Brasil SA, locatário do Edifício JK Financial Center, até 31 de dezembro de 2018. A Rio Bravo destaca que os valores de locação atualmente praticados, que representam aproximadamente 20% da receita total do fundo, serão mantidos e, portanto, este evento não alterará a distribuição de rendimentos. O administrador comunica, também, que a Maersk Supply Service Apoio Marítimo Ltda., locatária do 2º andar do Edifício Internacional Rio, manifestou o seu interesse em rescindir o seu contrato de locação, que ora vigorava por prazo indeterminado, para deixar de produzir efeitos a partir do dia 14 de janeiro de 2018. Este evento deverá reduzir a distribuição de rendimentos do fundo em aproximadamente 7%, segundo informa o documento.

FII de logística celebra locação de imóvel no Rio

A Oliveira Trust DTVM e a TRX Gestora de Recursos, administrador e gestor, respectivamente, do FII TRX Realty Logística Renda I (TRXL11), publicaram Fato Relevante para informar sobre a celebração de contrato de locação, na modalidade típica, com a empresa Motus Serviços LTDA, tendo como objeto 2.321,29 m² do empreendimento “TRX DUTRA/RJ”, localizado no Rio de Janeiro/RJ. O contrato de locação possui prazo de 36 meses, com início em 01 de janeiro de 2018 e término em 01 de janeiro de 2020 (sic). O fundo receberá mensalmente, a título de receita de aluguel, o valor de R$ 27.885,48, reajustado anualmente pelo IPCA. Segundo o documento, em linha com o praticado pelo mercado, o fundo concederá uma carência no pagamento dos alugueis nos primeiros três meses de locação, ou seja, o pagamento do primeiro aluguel deverá ser efetuado até o dia 05 de abril de 2018, observado que tal primeiro aluguel deverá ser destinado à imobiliária que intermediou a presente locação, a título de comissão imobiliária. Tratando-se de locação parcial, será instituído o regime condominial edilício, sendo que as despesas periódicas atualmente pagas pelo fundo serão assumidas pelo locatário, com base na fração do empreendimento que ocupará. A redução nas despesas do empreendimento será de aproximadamente 13,5%. Adicionalmente, a taxa de vacância do fundo, com base no total de metros quadrados, passará de 53,0% para 50,7%. 

Rankings
Mais Lidos