CRA com risco Guarani é classificado ‘AA-’

No dia 05/05/2017 a Fitch atribuiu a classificação de risco ‘AA-’ à primeira série da 4ª emissão de CRA da Vert. A operação terá como lastro uma CPR-F, emitida pela empresa Guarani em favor da Companhia Energética São José, cedente da operação, e que representa promessa de entrega de safras de cana-de-açúcar no período de 2017/2018 até 2020/2021. Os títulos detêm valor de emissão próximo a R$ 313,4 milhões e remuneração correspondente a 105,0% do CDI.

Moody’s classifica CRA que ultrapassam R$ 1,0 bilhão

A agência Moody’s atribuiu a classificação de risco definitiva ‘Aaa’ às 114ª e 115ª séries de CRA emitidas pela EcoSec. O lastro desses títulos consiste em duas séries de debêntures emitidas pela empresa Ipiranga Produtos de Petróleo, com fiança prestada pela empresa Ultrapar Participações, controladora da Ipiranga. A 114ª série de CRA possui rentabilidade de 95% da Taxa DI e montante total de R$ 660,1 milhões, enquanto a 115ª série terá seu principal atualizado monetariamente pelo IPCA, acrescido de juros remuneratórios de 4,7%, e montante de R$ 352,4 milhões.

Fitch atribui ‘AAA’ a CRA da RB Capital

No dia 12/04/2017 a 6ª e a 7ª séries da primeira emissão de CRA da RB Capital Companhia de Securitização receberam classificação ‘AAA’ da Fitch, em montante somado de R$ 969,7 milhões. Tais títulos serão lastreados por duas CPR-F emitidas pela Raízen Energia, visando a compra de cana-de-açucar.  Segundo a agência, a remuneração dos CRA será de 96,0% da variação acumulada das taxas médias diárias do CDI, no caso da 6ª série, e do IPCA mais acréscimo de aproximadamente 4,7% ao ano, no caso da 7ª série.

Mais um CRA lastreado em debêntures da Companhia Brasileira de Distribuição recebe registro

Foi registrada na CVM a oferta pública de distribuição da 7ª série da 1ª emissão de Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA) da Ápice Securitizadora, no montante total de R$ 920,0 milhões. A oferta será coordenada pelo Banco Bradesco BBI. A operação terá como lastro a 14ª emissão de debêntures emitidas pela Companhia Brasileira de Distribuição (CBD). Os juros remuneratórios dos CRA serão equivalentes a 96,0% da Taxa DI Over e o vencimento da operação será em abril de 2020. No último mês de dezembro já havia sido registrada na CVM outra oferta pública, no valor de R$ 862,5 milhões, de uma série de CRA da Ápice também lastreada em debentures da CBD.

Fitch classifica CRA lastreado em CPR de cana-de-açúcar da Guarani

No dia 04/04/2017 a agência de classificação de risco Fitch atribuiu a nota ‘AA-’ à proposta de emissão da primeira série da 4ª emissão de CRA da Vert, em montante que pode chegar a R$ 405,0 milhões. O lastro do título será uma CPR financeira emitida pela empresa Guarani em favor da Companhia Energética São José, cedente da operação. Tal título representa uma futura entrega de safras de 2017/2018 até 2020/2021 de cana-de-açúcar. Segundo a Fitch, a remuneração dos títulos pode corresponder a até 112% do CDI até 22/05/2020, data do vencimento da operação.

CRA lastreado em debêntures recebe classificação da S&P

A S&P atribuiu, no dia 31/03/2017, a classificação de risco ‘AA+’ à 7ª série da primeira emissão de CRA emitidos pela Ápice, em montante de R$ 1,08 bilhão. Tal operação tem como lastro a 14ª emissão de debêntures emitidas pela Companhia Brasileira de Distribuição e tem como definidos juros remuneratórios correspondentes a 96% da Taxa DI.

Recebíveis de serviços de transporte lastreiam 1º CRA da Altere

A Altere Securitizadora realizou em março sua primeira operação de Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA). A 1ª série da 1ª emissão da securitizadora perfez o montante de R$ 15,0 milhões e foi distribuída por meio de oferta pública com esforços restritos sob coordenação da Socopa. O CRA tem como lastro um CDCA emitido pela empresa Rodoviário Morada do Sol Ltda (devedora) em favor do Banco Paulista (cedente da operação). Os direitos creditórios vinculados ao CDCA são oriundos de um contrato de prestação de serviços de transporte rodoviário pelo qual a Louis Dreyfus Company Sucos S.A. contratou a devedora para prestar serviços de transporte de suco de laranja. Os títulos possuem vencimento em setembro de 2018 e remuneração correspondente a 125,0% da taxa DI. A emissão contou com dois tipos de investidor adquirindo os títulos: R$ 11,0 milhões foram adquiridos por investidores Pessoa Física; e R$ 4,0 milhões por Pessoas (Físicas ou Jurídicas) ligadas à emissora e/ou aos participantes do consórcio. O agente fiduciário da operação é a SLW Corretora.

CRA lastreado por CDCA da VLI Multimodal é classificado com ‘AA+’

No dia 18/01/2017 a proposta da 104ª série da primeira emissão de CRA da Eco Securitizadora, equivalente a montante de R$ 260,0 milhões, recebeu nota ‘AA+’ da agência de classificação de risco Fitch. Com prazo de cinco anos, o título detém taxa de juros correspondente a, no máximo, 98% do CDI e é lastreado por um CDCA de emissão por parte da empresa VLI Multimodal. Com relação ao CDCA, tal título possui garantia do penhor de direitos creditórios de contratos de serviços de logística a serem realizados pela VLI Multimodal em favor das empresas Celulose Nipo-Brasileira e Fibria Celulose. Segundo relatório da Fitch, o ativo e passivo da operação apresentarão a mesma taxa de juros. O dinheiro proveniente da emissão será destinado pela VLI Multimodal aos seus negócios, relacionados ao transporte de recursos agrícolas.

CRI da RB Capital Companhia de Securitização e CRA da Eco Securitizadora são elevados

A agência de classificação de risco Moody’s elevou, no dia 13/12/2016, as notas concedidas à 80ª série da primeira emissão de CRI da RB Capital Companhia de Securitização e à 68ª série da primeira emissão de CRA da Eco Securitizadora. Em ambos os casos a elevação foi de ‘Aa1’ para ‘Aaa’. A elevação das notas ocorre devido à elevação da classificação de risco dos ativos que lastreiam as duas operações, uma CCI, no caso dos CRI, e uma NCE, no caso dos CRA, devidos pela empresa Suzano. Esses ativos lastro, assim como no caso do CRI e CRA, tiveram sua classificação de risco elevada de ‘Aa1’ para ‘Aaa’.

Nova oferta de CRA da Ápice recebe registro

Foi registrada na CVM a oferta pública de distribuição da 2ª série da 1ª emissão de Certificados de Recebíveis do Agronegócio da Ápice Securitizadora, no montante total de R$ 862,5 milhões. A oferta será coordenada pelo Banco Itaú BBA. A operação terá como lastro debêntures devidas pela Companhia Brasileira de Distribuição. Os juros remuneratórios dos CRA serão equivalentes a 97,5% da Taxa DI Over e o vencimento da operação será em dezembro de 2019.

Rankings
Mais Lidos