CRI - Renda Fixa ou Variável?

A pergunta pode parecer retórica, afinal, a Lei Federal nº 9.514 que cria os certificados de recebíveis imobiliários (CRI), deixa claro em seu artigo 7º que, dentre as características que este título de crédito deve apresentar, está a taxa de juros, fixa ou flutuante. Portanto, trata-se de um título de renda fixa. Porém, ao ler o termo de securitização da operação Aetatis Securitizadora 2009-2, a pergunta título do artigo e outras mais podem surgir na cabeça do leitor.

No último dia 27 de maio, a Aetatis Securitizadora emitiu três títulos lastreados em uma carteira de créditos imobiliários: um CRI de classe sênior, um CRI de classe subordinada sênior, chamado de subordinado A, e um CRI de classe subordinada, chamado de subordinado B. Os respectivos números de série são 6, 7 e 8.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

IOSCO publica sugestões de regulamentação para os mercados de securitização e derivativos de crédito

Em maio de 2009, a Organização Internacional de Comissões de Valores Mobiliários, conhecida internacionalmente como IOSCO (International Organization of Securities Commissions), publicou interessante relatório sobre os mercados de securitização e derivativos de crédito. Denominado Produtos e Mercados Financeiros não Regulados, o relatório tem como objetivo examinar formas de aumentar a transparência e a supervisão de mercados e produtos financeiros não-regulados, visando melhorar sua qualidade e restabelecer a confiança dos investidores nestes.

O relatório foi produzido pelo Comitê Técnico da organização, do qual a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) faz parte, e está aberto a comentários do público - processo parecido com as audiências públicas da CVM. Após recebimento e análise dos comentários recebidos, espera-se a publicação do relatório final com uma lista de recomendações da Organização para seus associados.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Rankings

Mais Lidos