Gradual deixa administração do Multisetorial Silverado Maximum II

A Gradual Corretora de Câmbio Títulos e Valores Mobiliários (Gradual CCTVM) encaminhou na última sexta-feira, dia 24/11/2017, um comunicado para a CVM e para os cotistas do FIDC Multisetorial Silverado Maximum II, fundo onde exerce a função de administradora, informando sobre sua renúncia imediata e irretratável das atividades de administração, gestão, custódia, escrituração de cotas e distribuição do fundo. Uma assembleia geral de cotistas foi convocada para a mesma data com o intuito de deliberar sobre a substituição da administradora do fundo.

FIDC Tapso NP aprova universo de cedentes e devedores de direitos creditórios adquiríveis pelo fundo

Veja abaixo o resumo desta e de outras decisões tomadas no âmbito de assembleias de FIDC divulgadas na CVM entre 13 e 17 de novembro de 2017.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Mercado de FIDC se aproxima dos 600 fundos; crescimento ocorre em quase todas as classes de ativo-lastro

Ao fim de outubro de 2017, a indústria de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) apresenta crescimento no ano de 6,2% em termos de Patrimônio Líquido (PL) consolidado, e de 12,2% no tocante ao número de fundos. São R$ 69,81 bilhões em PL, referentes a um total de 589 fundos. Em dezembro de 2016 eram R$ 65,71 bilhões e 525 fundos em operação.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Liquidação antecipada do FIDC Normandie NP é aprovada

Veja abaixo o resumo desta e de outras decisões tomadas no âmbito de assembleias de FIDC divulgadas na CVM entre 06 de novembro e 10 de novembro de 2017.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Composição da carteira, risco de liquidez e atrasos explicam rebaixamento de cotas do FIDC Multissetorial Invest Dunas LP

No dia 09/11/2017 a Liberum rebaixou a classificação de risco das cotas sênior e mezanino do FIDC Multissetorial Invest Dunas LP. No caso das cotas sênior, o rebaixamento foi de ‘BBB-’ para ‘BB’, enquanto a nota das cotas mezanino alterou-se de ‘BB-’ para ‘B+’.  O rebaixamento é resultado de alterações na carteira de direitos creditórios, que passou a ter uma maior participação de cheques. No período de agosto até setembro de 2017, o valor de tal ativo saltou de R$ 18,8 milhões (16,0%) para R$ 45,7 milhões (39,0%). Além disso, no mesmo período, elevou-se o prazo médio dos títulos a vencer, passando para 108 dias, maior do que a média dos FIDC que a Liberum monitora. O relatório atenta para o risco de liquidez do fundo, uma vez que o prazo médio da carteira de direitos creditórios equivale a três vezes mais do que o prazo possível de resgate das cotas do fundo, que é aberto. Segundo a Liberum, “pondera-se que em out/17 foram feitos resgates das cotas seniores da ordem de R$ 12,4 milhões, ocasionando diminuição da carteira de crédito para 106,2 milhões (ante R$ 117,4 milhões em set/17), uma vez que o Fundo não apresentava ativos líquidos (remanescente do PL) suficientes para fazer frente a totalidade do resgate. ” Para finalizar, os atrasos alcançaram a cifra de R$ 18,5 milhões em outubro de 2017, crescimento de R$ 6,1 milhões na comparação com setembro, fazendo surgir também um crescimento no vencido líquido (vencido - PDD), que migrou de 4,8% para 12,7% do PL.

Aprovada a cisão de parcela do patrimônio do FIDC Valer Multissetorial

Veja abaixo o resumo desta e de outras decisões tomadas no âmbito de assembleias de FIDC divulgadas na CVM entre 30 de outubro e 03 de novembro de 2017.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Melhora nível de Atrasos em FIDC MM de pior desempenho

Os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) do segmento Multicedente/Multissacado (FIDC MM), com suas carteiras diversificadas compostas predominantemente por recebíveis comerciais de curto prazo, constituem, por suas características, um setor que justifica uma análise de desempenho à parte. Uma forma de se analisar o desempenho das carteiras dos FIDC MM utilizando-se dados dos seus Informes Mensais se fundamenta nos indicadores referentes aos montantes inadimplentes (Atrasos), especificamente os montantes inadimplentes há no máximo 30 dias e os montantes inadimplentes de 30 a 60 dias. Tais dados, de ambas faixas de prazo referentes à inadimplência, se mostram relevantes para ilustrar de forma mais completa o desempenho de carteiras que, além de serem compostas por recebíveis de curto prazo, tendem a acusar uma forte queda na inadimplência a partir de 30 dias de atraso, muito em função de recompras e substituições. Assim, adicionalmente aos indicadores de Atrasos referentes às duas faixas descritas acima, pode-se destacar também, como parte importante de uma análise mais ampla de desempenho dos FIDC MM, o indicador de montante de recompras (Recompras).

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Quão rentáveis são as cotas dos FIDC que atuam junto aos arranjos de cartão de crédito?

Ao longo dos últimos meses foram lançados vários Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) atuando junto à estrutura de fluxos financeiros de arranjos de pagamento de cartões de crédito (CC). Assim, após uma primeira geração de FIDC, nascente por volta de 2007, estruturados então com foco em carteiras de direitos creditórios oriundos de faturas de cartão de crédito, tendo como cedentes emissores de cartão e como sacados portadores de cartão, outras gerações destes fundos, investindo em direitos creditórios oriundos de outras etapas daquele fluxo, com outros tipos de players como cedentes e sacados, passaram a ser estruturadas, conforme publicado anteriormente no portal Tlon.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Cotistas do FIDC CJP Créditos Judiciais e Precatórios NP não chegam a acordo sobre correção de valor das cotas

Veja abaixo o resumo desta e de outras decisões tomadas no âmbito de assembleias de FIDC divulgadas na CVM entre 23 e 27 de outubro de 2017.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Número de FIDC iniciados este ano já supera os de 2016; fundos de CC se destacam

Ao longo dos primeiros nove meses do ano de 2017 entraram em operação 92 novos Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC), acrescentando um Patrimônio Líquido (PL) de aproximadamente R$ 11,00 bilhões à indústria destes fundos. O número de novos fundos este ano já supera o total de novos FIDC iniciados ao longo de todo o ano de 2016, que foram 87, referentes a uma adição de PL consolidado então de R$ 15,00 bilhões ao mercado. 

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Rankings

Mais Lidos