Maior fundo de crédito consignado entra em operação

No último mês de fevereiro entrou em operação o Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) Moleiro Consignado. O veículo será utilizado pelo Banco Cetelem para a captação de recursos no mercado de capitais. O fundo atuará comprando recebíveis de crédito pessoal originados pelo próprio banco. Com a sua primeira emissão de cotas captando quase R$ 4,00 bilhões, este fundo passa a ser, por larga margem, o maior fundo dedicado exclusivamente a crédito pessoal na indústria de FIDC.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

CVM orienta a respeito de provisionamento de direitos creditórios em FIDC

À luz dos recentes acontecimentos decorrentes da pandemia do Covid-19, a CVM divulgou um conjunto de orientações a respeito da condução e do funcionamento de fundos de investimento nesse período conturbado. Em relação aos FIDC, a autarquia orienta administradores e gestores desses fundos quanto ao provisionamento de direitos creditórios.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Como o segmento de supermercados usa da securitização para se financiar

No momento atual, em que impera a recomendação de isolamento e distanciamento social, alguns poucos segmentos da economia mantêm-se, pelo menos, em ritmo de negócios próximo do normal. Além do óbvio caso dos serviços relacionados ao setor médico, há, entre outros, também o setor de telefonia e o de supermercados.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Pandemia impacta a avaliação de risco de cotas de FIDC Multicedente Multissacado

A esta altura, diante dos mais recentes acontecimentos, a ampla maioria da população brasileira já está ciente da periculosidade do Covid-19, popularmente conhecido pela sua família viral: coronavírus. Além dos fortes efeitos negativos sobre a saúde das pessoas, que devem corretamente ser o foco de atenção por parte da sociedade, são muitos os efeitos significativamente prejudiciais à economia do país. O mercado de capitais não escapa desse contexto caótico, principalmente em tempos onde vinha conquistando mais espaço como alternativa de financiamento e, consequentemente, aumentando a integração com diversos setores da economia. Um claro exemplo do cenário problemático para o mercado de capitais foi dado na última segunda-feira pela agência de classificação de risco Liberum.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

REAG e Tercon destacaram-se no mercado de gestores de FIDC em 2019

É incontestável que em 2019 o mercado de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) passou por um incremento dimensional muito significativo, tendo, possivelmente, sido esse o fato que mais chamou atenção na indústria. No entanto, sempre é interessante entender como se deu a atuação dos prestadores de serviços dos fundos.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Uma década depois, CVM multa envolvidos em FIDC fraudulento

Na última semana, o Colegiado da CVM decidiu por aplicar R$ 771,9 milhões em multas aos envolvidos em atividades fraudulentas relacionadas a FIDC. Com isso, a autarquia colocou um ponto final em um caso que já se arrastava há uma década, e que a Uqbar acompanhou desde o seu início.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Primeiros colocados do Ranking Uqbar de Administradores detêm metade do mercado de novos FIDC

Ao longo de 2019, 208 Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) entraram em operação, perfazendo, no encerramento do ano, um patrimônio líquido (PL) de R$ 34,75 bilhões. Dentro deste universo, foi a Terra Investimentos e a Socopa as empresas que mais se destacaram na administração destes novos FIDC, levando-se em conta o montante de PL e a quantidade de fundos, respectivamente.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

FIDC NP representam 45% do PL do mercado

Ao se decompor o mercado de FIDC entre aqueles que são fundos de carteiras compostas de créditos regulares, ou “Padronizados”, e aqueles que são Não-Padronizados, os NP, acompanhando a evolução dimensional destes dois segmentos, é possível recordar o que se passou recentemente com a economia brasileira e com o mercado de crédito.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

A progressão do mercado de FIDC até 2020

O mercado de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) usufruiu em 2019 do movimento estrutural transformativo que vem ocorrendo em relação ao crédito no Brasil. A retração do crédito de fonte estatal e do crédito direcionado, a expansão do crédito privado e de recursos livres, em um contexto monetário de juros declinantes, fundamentaram o crescimento do mercado de FIDC no último ano. Mais especificamente, a expansão da participação do mercado de capitais, e a busca por melhores retornos de perfil de renda fixa, favoreceram este que é o principal veículo de securitização no mercado brasileiro.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

FIDC MM dobram de tamanho e superam R$ 20 bi de patrimônio

Importante pelo seu papel no financiamento de pequenas e média empresas brasileiras, o segmento de FIDC Multicedente Multissacado (MM) tem conquistado, cada vez mais, destaque pela sua dimensão. Em quatro anos, o patrimônio líquido (PL) consolidado dos fundos associados a esse segmento mais que duplicou de tamanho, marcando variação percentual de 128,0% para o período.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Rankings

Mais Recentes
fii