Fitch conjectura default e rebaixa cotas mezanino de FIDC da Pirelli

O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) Revendedores Oficiais Pirelli – ROP atravessa momento conturbado, sendo real a probabilidade de default das suas cotas mezanino B. Este é o cenário previsto pela agência de classificação de risco Fitch caso haja inadimplência de qualquer direito creditórios da carteira do fundo até o vencimento-limite da operação, em abril de 2019. Além disso, é esperado que até hoje, 26 de fevereiro, a Pirelli efetue a recompra de três direitos creditórios inadimplidos, o que deverá dar novo fôlego à operação. Considerando esses fatos, a agência comunicou, na última sexta-feira, 22 de fevereiro, o rebaixamento de nota das cotas mezanino B do fundo, de ‘B-’ para ‘CCC’.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

FIDC de cartão de crédito tem R$ 1 bi em cotas classificadas com ‘Aaa’

A classificação de risco ‘Aaa’ foi atribuída ontem, 14 de fevereiro de 2019, às cotas sênior do FIDC Fenix do Varejo II. A operação é lastreada por recebíveis comerciais cedidos pelas empresas Lojas Americanas (LASA) e B2W Companhia Digital (B2W), que atuam no setor varejista. Tais recebíveis comerciais são originados das vendas de produtos e serviços das cedentes para seus clientes e pagos por meio de cartões de crédito.  Essas transações, por sua vez, são processadas pela Cielo, que, na estrutura de uma transação via cartão de crédito, figura como a devedora dos recebíveis.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Ações Judiciais e Precatórios dominam nos FIDC NP e segmento volta a crescer

O Patrimônio Líquido (PL) do conjunto dos Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) do segmento Não Padronizado (NP), após um ano de 2017 de estagnação dimensional, voltou a se expandir ao longo de 2018, atingindo atualmente seu maior nível histórico. Os fundos NP se destacam no mercado de FIDC por abrirem a possibilidade para a aquisição de créditos de empresas em Recuperação Judicial (RJ), créditos inadimplidos, precatórios, créditos em discussão judicial, direitos de existência futura desconhecida e outros tipos de direitos creditórios não regulares, preenchendo assim um espaço relevante no universo de financiamentos e investimentos na economia brasileira.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Precatórios e créditos corporativos impulsionam alta de PL de FIDC em 2018

Ao longo de 2018 tanto o Patrimônio Líquido (PL) como o respectivo número de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) se expandiram, fechando o último mês de dados divulgados, novembro, em patamares recorde. Tal crescimento se fundamentou em operações de carteiras de específicos ativos-lastro. Pelo critério do indicador de PL, o principal impulso que explica a expansão do mercado adveio da categoria de ativo-lastro Setor Público, composta principalmente por fundos que investem em precatórios. Já em relação ao critério de número de fundos, o crescimento relativo mais alto se registrou na categoria de ativo-lastro Crédito Pessoal, ao passo que crescimento maior em termos absolutos foi da categoria Recebíveis Comerciais. A categoria Crédito Pessoa Jurídica (Crédito PJ), que representa os fundos que investem em crédito corporativo de médio e longo prazo, alcançou bom desempenho por ambos os critérios.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Mercado de FIDC segue registrando recorde de tamanho; PL encosta em R$ 100 bi

O conjunto de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) alcançou, ao final de novembro, a marca de 743 deles em operação, maior nível histórico deste indicador. No mesmo sentido, o respectivo Patrimônio Líquido (PL) consolidado expandiu ao longo do ano, chegando aos R$ 97,27 bilhões, recorde histórico também. Ambos indicadores registraram forte crescimento nos primeiros onze meses de 2018, destacando-se o impulso advindo do montante emitido em cotas, superior a R$ 35,0 bilhões.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Cotistas do FIDC GGR Prime I decidem pela liquidação

No último dia 21 de dezembro reuniram-se em assembleia os cotistas do FIDC GGR Prime I, fundo que já esteve entre os maiores do segmento de FIDC imobiliário, e que desde 2017 vinha apresentando problemas de desempenho em sua carteira. Conforme abordado anteriormente no portal TLON, em abril de 2018 os cotistas do fundo já haviam se reunido em assembleia para aprovar o Plano de Reestruturação dos créditos que compõem a carteira do fundo. Desta vez, seguindo proposta realizada pela gestora do fundo, a maioria dos cotistas deliberou pela liquidação do fundo.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Encerrada nova emissão de fundo direcionado à infraestrutura

Já não é novidade que o Brasil demanda em grande escala investimentos em infraestrutura, sendo esse um dos obstáculos mais significativos a se superar para que o país alcance um estágio mais avançado de desenvolvimento. Nesse contexto, o mercado de capitais vem ganhando força e se consolidando como uma das alternativas para captação de recursos para os projetos de infraestrutura necessários. Um exemplo dessa dinâmica está na indústria de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC). É crescente o número de fundos pertencentes a esse nicho que adquirem direitos creditórios provenientes de financiamento de projetos de infraestrutura. Ontem um deles encerrou sua terceira emissão de cotas.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

FIDC com risco GM tem cotas classificadas pela Fitch

A agência Fitch divulgou hoje, dia 13 de dezembro de 2018, um comunicado informando a atribuição de classificação de risco preliminar ‘AAA’ às cotas do FIDC Automotivo, em montante de aproximadamente R$ 350,0 milhões. O FIDC Automotivo consiste em uma operação de securitização de 18 contratos de crédito fixo celebrados entre o Fundo de Fomento Automotivo do Estado do Rio Grande do Sul (Fomentar/RS) e a empresa General Motors do Brasil (GM). Segundo a agência, esses contratos foram cedidos ao Citibank, cedente da operação.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Com garantia em euros, oferta de cotas de FIDC da Enel RIO deve mirar mercado internacional

A agência de classificação de risco Moody’s atribuiu na última quinta-feira, dia 29 de novembro de 2018, classificação de risco para a segunda emissão de cotas sênior do FIDC Global TR. A nota atribuída foi um ‘Aaa’ e a agência levou em consideração o montante máximo de emissão da ordem de R$ 400,0 milhões. Segundo a agência, os recursos captados pelo fundo nessa nova emissão serão destinados ao resgate da primeira emissão de cotas sênior.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Índice de atrasos se eleva e cotas de FIDC MM são rebaixadas pela S&P

A S&P rebaixou ontem, 26 de novembro de 2018, as classificações de risco da 8ª série de cotas sênior e das 5ª e 6ª séries de cotas mezanino do FIDC Sul Invest Multisetorial, um fundo pertencente ao segmento Multicedente/Multissacado (MM). No caso das cotas sênior, a nota foi alterada de ‘AA-’ para ‘A’, enquanto as duas séries de cotas mezanino passaram a ser classificadas com ‘CCC’, ante ‘BB-’.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Rankings

Mais Lidos