Jornal

Cotas de FII continuam tendência de alta em fevereiro

No mês de fevereiro de 2010, o mercado secundário de cotas de Fundos de Investimento Imobiliário (FII) manteve tendência de ligeira alta. Dos 23 FII que foram negociados em janeiro e fevereiro, 14 apresentaram variação positiva de preço de cota entre um mês e o outro. A média de variação mensal de preço de cotas, para todos os fundos, sem considerar ponderações por valor de mercado, foi de 0,44% no período.

Esta tendência se iniciou a partir de janeiro. Desde o pico do mercado, em outubro passado, o mercado vinha sofrendo um ajuste baixista. Mas, a partir do começo do ano, a grande maioria dos FII negociados na BM&FBOVESPA passou a mostrar valorização de preços de suas cotas. A média de variação mensal de preço de cotas tinha sido de 2,59% em janeiro e - 0,91% em dezembro de 2009.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Secundário de FII continua tendência de crescimento em fevereiro

O mercado secundário de cotas de FII manteve sua tendência de crescimento no mês de fevereiro. O montante negociado, R$9,9 milhões, foi acima dos níveis registrados nos últimos três meses; R$ 7,8 milhões R$ 6,7 milhões e R$ 6,6 milhões, respectivamente. Porém, este número ainda está bem abaixo da média mensal de 2009, de aproximadamente R$ 15,0 milhões. O número de negócios no mês também apresentou uma razoável ascensão, 918 contra 837 de janeiro e 792 de dezembro.

As cotas do Nossa Senhora de Lourdes foram as mais negociadas nos mês, com um volume total de quase R$ 1,2 milhão, seguido pelo Europar e pelo CSHG Brasil Shopping, com volumes de R$ 943 mil e R$ 821 mil respectivamente. No ano, o BB Progressivo lidera o ranking de montante negociado, com R$ 1,8 milhão em títulos negociados.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Negócios com cotas de FIDC aumentam significativamente em fevereiro

Apesar de fevereiro ser o mês mais curto do ano, o número e o montante consolidado de negócios no mercado secundário de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) subiu bastante em relação a janeiro passado.

O montante em negociações registradas na CETIP foi de R$ 98,0 milhões, enquanto a BM&FBOVESPA registrou apenas R$ 1,5 milhão. Em termos de número de negócios, foram 49 na CETIP, contra apenas 3 na BM&FBOVESPA.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Classificação/Janeiro - FIDC por Índices de Desempenho

Dando prosseguimento à série mensal que analisa o setor de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC), a Uqbar publica a classificação dos FIDC de maior PDD Normalizado (PDDn) e de maior e menor Variação de PDD Normalizada (?PDDn) no mês de janeiro de 2010.

As classificações não consideram fundos não padronizados e também excluem fundos com nível de Patrimônio Líquido ou de Direitos Creditórios inferior a R$ 10,0 milhões, evitando-se assim efeitos distorcidos que podem ocorrer no período final de amortização de alguns fundos e comparações com fundos já em fase final de liquidação.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

PDD continua ascendente em relação a Atrasos e PL

O montante consolidado de Provisão para Devedores Duvidosos (PDD) do setor de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) continua a crescer, não só em termos absolutos, mas também em termos relativos frente aos números consolidados de créditos vencidos e não pagos (Atrasos) e Patrimônio Líquido (PL).

No final de janeiro de 2010 o montante consolidado de PDD atingiu R$ 1,77 bilhão, contra R$ 2,25 bilhões de Atrasos e R$ 34,07 bilhões de PL, excluindo o FIDC NP Sistema Petrobras. Estes mesmos indicadores estavam em R$ 1,65 bilhão, R$ 2,18 bilhões e R$ 33,78 bilhões no final de dezembro de 2009, subentendendo-se taxas mensais de crescimento de 7,27%, 3,21% e 0,86% respectivamente.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Recebíveis do Agronegócio melhoram desempenho com novos fundos

A classe de Recebíveis do Agronegócio melhorou sua posição relativa na classificação de janeiro de desempenho dos grupos consolidados de FIDC por ativo-lastro, tendo agora duas outras classes com PDD Normalizado (PDDn)mais alto, Titulos Mobiliários e Crédito Pessoa Jurídica. Tal melhora se explica pela adição de um novo fundo nesta classe, o FIDC Mercantis Monsanto, que contabiliza um patrimônio líquido de quase R$ 58,0 milhões e nenhuma provisão alocada para devedores duvidosos. O FIDC Mercantis Monsanto teve sua oferta de cotas registrada na CVM em janeiro.

A classe de Recebíveis do Agronegócio, com um nível de PDDn de 46,39 no final de janeiro, contra 51,67 no final de dezembro de 2009, já havia passado por uma outra melhora por conta da inclusão nesta classe do Minerva FIDC Crédito Mercantil, cuja primeira emissão de cotas aconteceu em novembro passado. O nível negligente de provisões destes dois fundos contribui para diluir o efeito do alto nível de PDD associado ao Union Agro+ FIDC, um dos dois outros fundos restantes pertencentes a esta classe.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Novo FII dedicado à renda fixa aproxima-se do FIDC

Um Fundo de Investimento Imobiliário (FII) com características diferenciadas teve sua primeira oferta primária finalizada no mês passado e, desde então, tem apresentado um volume forte de negociações de suas cotas no mercado secundário registrado na CETIP.

Trata-se do FII Votorantim Securities, fundo registrado no final de 2009 e que obteve registro junto a CVM para uma oferta de até R$ 1,30 bilhão em dezembro último. O período de oferta foi terminado em janeiro com a colocação de cotas, no valor total de R$ 100,0 milhões, adquiridas por um único investidor, um fundo de investimento.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Novo FII dedicado à renda fixa aproxima-se do FIDC

Um Fundo de Investimento Imobiliário (FII) com características diferenciadas teve sua primeira oferta primária finalizada no mês passado e, desde então, tem apresentado um volume forte de negociações de suas cotas no mercado secundário registrado na CETIP.

Trata-se do FII Votorantim Securities, fundo registrado no final de 2009 e que obteve registro junto a CVM para uma oferta de até R$ 1,30 bilhão em dezembro último. O período de oferta foi terminado em janeiro com a colocação de cotas, no valor total de R$ 100,0 milhões, adquiridas por um único investidor, um fundo de investimento.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Retorno estimado dos rendimentos de FII fica em 8,83% p.a.

O retorno estimado médio dos rendimentos dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII) negociados no mercado secundário da BM&FBOVESPA ficou em 8,83% p.a. no mês de janeiro de 2010, ligeiramente abaixo das taxas de retorno computadas nos últimos dois meses, que haviam superado os 9,00% p.a.. Este pequeno decréscimo se deu por conta do efeito da valorização de preço das cotas de FII no mês de janeiro.

Conforme previamente descrito na Curta de 23/12/09, Uqbar publica ranking de rendimentos dos FII, o cálculo do retorno estimado dos rendimentos de um fundo leva em conta as distribuições mensais no último ano e o preço da cota do fundo no presente. Para um valor constante de rendimentos, se o preço da cota sobe, o retorno estimado decresce.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Cresce participação do Investidor Pessoa Física no mercado de CRI

O ano de 2009 registrou aumento significativo da participação do investidor pessoa física na aquisição de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI). Enquanto em 2007 e 2008 esta fatia não superou 10,0% do total de CRI emitidos, em 2009 houve um salto para mais de 25,0%. Esta tendência está em linha com a maior capacidade recente dos bancos de colocar títulos privados de renda fixa perante investidores pessoa física, decorrente do aumento de interesse de seus clientes por maiores retornos, principalmente daqueles pertencentes a classe Private Banking.

A participação de pessoas físicas em investimentos em CRI deverá se intensificar, de forma indireta, com a Lei 12.024, aprovada em agosto de 2009. Com a nova lei, o benefício fiscal existente para pessoa física que investe em CRI foi replicado através da estrutura dos Fundos de Investimento Imobiliário (FII). Consequentemente, tornou-se possível a aquisição destes títulos pelo pequeno investidor através da estrutura dos fundos imobiliários e multiplicou-se o potencial de distribuição e colocação tanto das cotas dos FII como dos próprios CRI.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Rankings
fii
fidc
cri
cra
Mais Recentes
fii
cri