RB Capital ocupa a liderança no ranking de CRI em 2012

Entre as dezoito securitizadoras que emitiram Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) no ano passado, a RB Capital* foi responsável pelo maior volume individual, o equivalente a R$ 5,08 bilhões, ou 52,7% do montante consolidado. Boa parte do montante de emissão da RB Capital, o equivalente a R$ 2,51 bilhões (ou 49,8% de seu total) se deve a uma operação onde a Caixa Econômica Federal (Caixa) atuou como única cedente de créditos imobiliários residenciais e o Fundo de Garantia por Tempo e Serviço (FGTS) atuou como investidor.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Emissões de CRI fecham 2012 com volume inferior ao de 2011

Apesar do aumento do ritmo de emissão de Certificados Recebíveis Imobiliários (CRI) no período final de 2012, o ano terminou com um montante consolidado emitido 29,4% abaixo daquele referente a 2011. No último ano foram emitidos R$ 9,58 bilhões, contra R$13,59 bilhões no ano anterior. No final de 2012 houve um volume maior de emissão devido à realização de uma operação de duas classes de CRI, onde a classe sênior, correspondente à 75ª série da 1ª emissão de CRI da RB Capital Companhia de Securitização*, se equivaleu a R$ 2,19 bilhões, ou 22,9% do total emitido de CRI por todo o mercado em 2012.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Nova securitizadora registrada na CVM

Foi registrada ontem (16/01) na CVM uma nova securitizadora, a BIAM Companhia Securitizadora. A empresa com sede em Brasília no Distrito Federal é a primeira securitizadora registrada em 2013. A BSI Capital Securitizadora entrou com pedido de registro em 14 de dezembro e aguarda o término da análise pela CVM.

Fitch classifica CRI da RB Capital

A Fitch atribuiu a classificação de risco ‘A+sf(bra)’ à 91ª série da primeira emissão de CRI da RB Capital Securitizadora, em montante de R$ 19,4 milhões. O principal investido é corrigido pelo IGP-M e acrescido de taxa de juros de 4,26%. Esta emissão é lastreada por recebíveis imobiliários comerciais oriundos do contrato de locação atípica entre a RCS Empreendimentos e Participações e a Atento, esta última a fonte pagadora dos créditos locatícios cujo perfil de crédito reflete a classificação.

S&P Classifica CRI lastreado em debêntures

A S&P atribuiu a classificação de risco preliminar ‘brA- (sf)’ à 289ª série da primeira emissão de CRI da Brazilian Securities, no montante de R$ 200,1 milhões. O CRI é lastreado por CCI que por sua vez representam debêntures emitidas pela Rede D’Or São Luiz S.A. Os títulos serão atualizados monetariamente pela variação do IPCA e possuirão juros remuneratórios de até 6,05% ao ano, a ser definido em processo de bookbuilding.

Rebaixamentos superam elevações de classificação de risco de CRI

Tomando-se como base uma análise quantitativa simplificada referente ao conjunto das ações de classificação de risco que foram divulgadas pelas agências de classificação em 2012, referentes apenas aos Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), primeiramente poder-se-ia concluir que o ano se mostrou fecundo, tendo sido registrado 123 ações, entre afirmações, elevações, rebaixamentos, retiradas e atribuições, preliminares ou não. Nota-se um leve crescimento frente a 2011, quando 102 ações foram contabilizadas.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Mercado de LCI continua trajetória de forte crescimento

O mercado de Letras de Crédito Imobiliário (LCI) fechou mais um ano em ritmo de expansão vigorosa. Em 2012 foram depositados R$ 83,40 bilhões deste título na Cetip, tendo seu estoque consolidado naquela câmara atingido R$ 62,36 bilhões no final de dezembro último.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

CVM publica ofício-circular sobre agências de classificação de risco

A CVM publicou o Ofício-Circular/CVM/SIN/Nº1/2013 contendo manifestações da Superintendência de Relações com Investidores Institucionais sobre determinados dispositivos da ICVM 521, que regula a atividade de classificação de risco de crédito. Entre outros pontos, no entendimento da superintendência as agências que não tenham obtido seu registro até 01/01/2013 estão impedidas de emitir qualquer nova classificação de risco até que regularizem sua situação. A saber, as agências registradas atualmente são: Austin, Fitch, Liberum, S&P e Moody’s. Entre as agências que entraram com pedido mas ainda não obtiveram concessão do registro estão a LFRating e SR Rating, que aguardam o prazo de até 05/02 e 21/02, respectivamente, para resposta da CVM.

ISEC Securitizadora realiza sua primeira emissão de CRI

A ISEC Securitizadora (antiga Imowel Securitizadora) estreou no mercado, sendo a primeira securitizadora a emitir CRI em 2013. Os titulos emitidos e depositados na Cetip no dia 7 de janeiro totalizam R$ 3,1 milhões. Esta primeira série da primeira emissão da ISEC Securitizadora, emitida em forma escritural, tem remuneração equivalente ao IGP-M acrescido de 11,5%. A operação tem como lastro CCB emitida pela BIB GTB Incorporações e Investimentos, decorrente de financiamento imobiliário concedido pela Companhia Hipotecária Brasileira a ser direcionado para desenvolvimento de empreendimento habitacional no Rio Grande do Norte.

Montante de depósitos de CCI se reduz em 2012, mas estoque é maior

O montante consolidado de depósitos de Cédulas de Crédito Imobiliário (CCI) na CETIP durante o ano de 2012 decresceu substancialmente em relação ao número referente a 2011. Houve uma queda de 43,9%, tendo sido depositados R$ 12,42 bilhões em 2012 contra R$ 22,16 bilhões no ano anterior.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Rankings
Mais Recentes