Jornal

Securitização imobiliária e o caminho sendo trilhado

Aos poucos deve surgir, agora, um incipiente mercado de securitização imobiliária de carteiras pulverizadas cedidas por bancos. A partir dos efeitos da consolidação do nível historicamente baixo de juros na economia brasileira, e do desaparecimento do uso de um indexador arbitrário como a Taxa Referencial (TR), crescerão os incentivos de se transacionar carteiras pulverizadas de crédito imobiliário. Seja pelo lado de investidores, ou de instituições financeiras credoras originais, fortalecerá um racional de gestão financeira propiciador da expansão de tal mercado. Além disto, a própria maior diversificação do tipo de crédito imobiliário sendo originado, transacionado e securitizado contribuirá para este movimento de expansão.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Investidores aprovam substituição do lastro de CRI da True

Veja abaixo o resumo de decisões tomadas no âmbito de assembleias de CRI divulgadas na CVM entre 19 e 23 de agosto de 2019.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Oitava emissão do BCFF11 é aprovada

Veja abaixo o resumo das atas publicadas na CVM entre 19 e 23 de agosto de 2019.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

HSML11 desembolsa mais de R$ 300 mi em compra de shopping

Como o leitor do TLON pode verificar no resumo de atas de assembleias de cotistas de Fundos de Investimento Imobiliário (FII) desta semana, o FII HSI Malls (HSML11) obteve autorização de seus cotistas para iniciar a aquisição de três shopping centers, mesmo em um contexto de conflito de interesses, dado que os vendedores de tais ativos são entidades administradas pelo gestor do fundo. Ontem, dia 22 de agosto de 2019, o Santander e o Hemisfério Sul Investimentos, administrador e gestor do fundo respectivamente, comunicaram via fato relevante que o fundo concluiu a aquisição do primeiro dos três alvos.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

EcoSec emitirá CRA com risco Adecoagro

Duas séries de Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA), que juntas totalizam montante de aproximadamente R$ 400,0 milhões, estão próximas de serem emitidas pela EcoSec. Já há na CVM um prospecto preliminar explicitando que o lastro destes CRA seria formado por Cédulas de Produto Rural Financeira (CPR-F) emitidas pela empresa Adecoagro Vale do Ivinhema (Adecoagro).

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

CRI da RB Capital tem taxa de juros alterada

Veja abaixo o resumo de decisões tomadas no âmbito de assembleias de CRI divulgadas na CVM entre 12 e 16 de agosto de 2019.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Mais um CRI da Rede D’Or está prestes a vir a mercado

A Rede D’Or São Luiz (Rede D’Or) voltou ao mercado de capitais para levantar recursos através de uma emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), em estratégia que já se repete há algum tempo. Trata-se da 221ª série da 1ª emissão de CRI da RB Capital Companhia de Securitização (RB Capital). A emissão recebeu ontem, dia 19 de agosto de 2019, sua classificação de risco definitiva.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Emissão de R$ 215 mi de FII da Kinea é aprovada

Veja abaixo o resumo das atas publicadas na CVM entre 12 e 16 de agosto de 2019.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

MALL11 planeja investir quase R$ 160 mi em dois shoppings

O Fundo de Investimento Imobiliário (FII) Malls Brasil Plural (MALL11) assinou instrumentos vinculantes para uma potencial aquisição de participações em dois shoppings. É o que informam, via fato relevante divulgado ontem, dia 15 de agosto de 2019, a Genial Investimentos (Genial) e a BRPP Gestão de Produtos Estruturados (BRPP), respectivamente administrador e gestor do fundo. Caso o negócio se conclua, a cifra envolvida seria de R$ 159,2 milhões.

Para continuar lendo, faça o seu login ou cadastre-se.

Cotista único detém mais de 25% das cotas em 210 fundos

Na última semana, como publicado no TLON, a CVM emitiu ofício no qual instava o administrador dos FII Grand Plaza Shopping (ABCP11) e Centro Têxtil Internacional (CTXT11) a refazer as demonstrações financeiras de 2017 e 2018. No cerne do pedido está o entendimento, pela CVM, de que a presença de um determinado cotista detentor de mais de 25% das cotas dos fundos violaria a Lei 9.779/99 e ensejaria a tributação dos referidos FII como pessoa jurídica. Embora inconcluso, o caso faz com que cotistas minoritários voltassem suas atenções para o monitoramento de riscos regulatórios e tributários executado pelos administradores dos fundos.

Para continuar lendo, faça o seu login ou assine TLON.

Rankings
fii
fidc
cri
cra
Mais Lidos